The extra in the ordinary

By Catarina Guimarães


Leave a comment

Living with the 5 Reiki principles ~ Vivendo com os 5 princípios do Reiki

catarina-essencia-adraga-9-10-2016-4(PLEASE SCROLL DOWN FOR ENGLISH VERSION)

Só por hoje…

Sou calma
Confio
Sou grata
Trabalho honestamente
Sou bondosa

São os 5 princípios do Reiki.

Tantas vezes que estas palavras ressoam na minha mente, levemente, como um lenço colorido a dançar com a brisa de um fim de tarde de verão.

Só por hoje… como que uma âncora que me agarra ao aqui e agora, que no fundo é tudo o que tenho, tudo o que importa. Aqui e agora. Só por hoje…

Quase sempre são momentos em que estava prestes a voltar a comportamentos antigos que nasceram no medo e seus muitos descendentes, como a raiva, a insegurança, a tristeza e a ansiedade. Comportamentos tão enraizados que se poderia dizer que fazem parte de mim. Mas que não passam de hábitos disfarçados de personalidade, não fazem parte de mim e não pertencem à minha essência. Comportamentos de reacção e não de criação que me querem convencer que sou um mero peão na minha vida, uma vítima das circunstâncias sem qualquer poder.

Mas onde ganho consciência dessa reacção, onde digo “obrigada, mas já não preciso de ti”, é onde ganho o espaço para nascer a criação. Esse espaço precisa de respirar, respirar profundamente, precisa de sentir cada momento, precisa de silêncio, para suster, pairar, puxar a minha perspectiva para as alturas de uma águia em pleno vôo, de onde se vê tudo o que existe para lá do problema.

E estes princípios têm servido como fertilizante potente e orgânico para este meu espaço. Para que cada dia fique mais rico, mais fértil, propício a raízes mais profundas, mais flexíveis, mais fortes. Raízes que irão dar vida a uma criação em sintonia com quem verdadeiramente sou.
Uma criação onde eu posso ser eu em tudo o que faço e tudo o que permito nascer através de mim.
Não é fácil, mas parece-me que é a única coisa que vale a pena.
Por isso, só por hoje… catarina-essencia-adraga-9-10-2016-9(ENGLISH)

Just for today…

I will not be angry
I will not worry
i will be grateful
I will work honestly
I will be kind

This are the 5 Reiki principles.

There are so many times when these words echo in my mind, lightly, like a flag dancing with the warm breeze at the end of a summer day.

Just for today… like an anchor that keeps me right here and right now, which is actually the only thing I have, all that matters. Here and now. Just for today…

It happens almost always at moments when I was about to go back to old behaviours born from fear and its many descendants like rage, insecurity, sadness or anxiety. Behaviours rooted so deeply that one could think they are part of me. But they’re nothing more than habits disguised as personality, they are not part of me and don’t belong to my essence. Behaviours of reaction instead of creation that try to convince me that I’m nothing but a pawn in my life, a victim of the circumstances, void of any power.

But where the awareness of this reaction grows, where I say “thank you but I don’t need you anymore”, that is where I can make space for the creation to be born. This space needs to breath, breath deeply, it needs to feel every moment, it needs silence, to sustain, to hover above, to pull my perspective to the heights of an eagle in full flight, where I can see all that exists beyond the problem.

And these principles have been working as a powerful and organic fertiliser for said space. Every day making it richer, more fertile, suitable for growing deeper, stronger and more flexible roots. Roots that will give life to a creation in sync with who I really am. A creation where I can be myself in everything I do and all I allow to grow through me.

It’s not easy but it strikes me as the only thing worth doing. So, just for today…

(photos ~ Lieve Tobback)

 


Leave a comment

Less is more… decluttering and saying no to consumerism ~ Menos é mais… libertar-me de tralha e ser menos consumista

20160709-205131.jpg
(PLEASE SCROLL DOWN FOR ENGLISH VERSION)

“Terá sucedido na vida quando tudo o que realmente quiser for apenas o que realmente precisa.” ~ Vernon Howard

Menos é realmente mais…

Viver com menos coisas faz-me sentir mais inteira.
Libertar-me de tralha e esvaziar, nem que seja só um pouco, o espaço em que vivo ajuda-me a sentir-me ligada ao que não se consegue ver…

É essa essência que está connosco em todo o lado, mas que se perde no meio dos objectos. Eu sinto-a a ganhar corpo no espaço vazio.

Acredito piamente que o espaço que habitamos é um reflexo do que se passa dentro de nós e que podemos melhorar activamente o nosso estado de espírito e a nossa saúde quando nos livramos de tralha que se vai acumulando na nossa casa e na nossa vida.

Eu pura e simplesmente não consigo pensar quando estou numa sala caótica, atafulhada de coisas! O meu cérebro fica em curto circuito e o meu corpo começa a implorar a fuga. Espaços com demasiados objectos ou muito desarrumados sufocam-me e roubam-me energia, clareza e paz.

Eu detesto tralha e detesto gastar tempo a arrumar e limpar, logo, prefiro ter o mínimo de coisas à minha volta. Desprender-me de bagagem é das actividades de que mais gosto e dá-me uma sensação de abertura, liberdade e felicidade quase catártica.
Não pensem que vivo como um monge numa caverna, não. Eu tenho muita coisa, apesar de escolher ter muito menos do que todas as outras pessoas que conheço pessoalmente, principalmente no que toca a roupa, acessórios e artigos de decoração.

Mesmo assim é muito mais do que aquilo que realmente preciso para a minha vida. A verdade é que precisamos de tão pouco que até nos custa a imaginar!

Sempre que começo a sentir muita energia estagnada e bloqueada dentro de casa, aquele tipo de energia incómoda e teimosa que não sai nem com todas as janelas abertas ou com maratonas a queimar salva ou óleos essenciais, já sei que tenho que despachar qualquer coisa que anda para aqui encafuada e que já não me serve para nada.

Tenho o hábito de olhar de uma maneira simbólica para a forma como nos relacionamos com as nossas coisas.
Descobri que ter demasiadas escolhas (como no vestuário, por exemplo) não me traz liberdade como seria se esperar, mas ansiedade e indecisão. Quando vivo com apenas o essencial, como quando viajo com pouca bagagem, tenho muito mais tempo para fazer o que realmente me faz feliz e muito mais tempo para cuidar de mim e meditar, ouvir música, ler, passear, escrever, estar com amigos. E sou muito mais produtiva, calma e bem disposta em ambientes arrumados e minimalistas.

Criamos relações fortíssimas com tudo, incluindo objectos inúteis, estragados ou ultrapassados devido a dois grandes motivos: medo do futuro ou incapacidade de largar o passado.

Há já algum tempo que trabalho conscientemente e propositadamente a minha ligação emocional com os objectos e hoje consigo ver com bastante clareza o que me prende a quase todos eles. E escolho libertar-me.

No início foi um pouco difícil mas hoje sai-me com muita naturalidade. Alivia-me, faz-me sentir bem… acredito que é uma benção doar ou vender aquilo que já não me é útil mas que de certo o será para alguém. Gosto de imaginar a vida que um objecto poderá ter, sendo usado diariamente por alguém que o estima e lhe dá valor, em vez de ficar mais uns anos a ser ignorado nas minhas prateleiras ou gavetas.

20160709-204728.jpg

Nos últimos 3 anos vendi, doei e reciclei cerca de metade de toda a minha roupa, acessórios, artigos de decoração e livros. E sabe tão bem! E continuo a fazê-lo… É um projecto em andamento.

São estas as peças das quais me escolho desapegar : tudo o que for velho, estragado, tudo o que já não representa quem eu sou, que não me serve, que não me fique bem, que não tem utilidade, tudo o que não uso há mais de 1 ano ou que, pura e simplesmente, não ADORO.

Quando as dúvidas me assolam, seguro no objecto em questão e pergunto-me: como é que isto torna a minha vida melhor?
E depois imagino a minha vida com o objecto e a minha vida sem ele.
Na grande maioria das vezes, não encontro qualquer diferença!

Com o dinheiro que fiz a vender tudo isto, consegui pagar os meus cursos de reiki (nível 1 e 2), aulas de surf, dois workshops em energia quântica e meditação, algumas massagens, prendas para amigos e cerca de 4 ou 5 livros.

Vender esta tralha enriqueceu a minha vida também devido ao modo como optei por gastar esse dinheiro. Investi em experiências e coisas que dão frutos muito depois de as comprar.
Isso tem um impacto muito maior na minha felicidade e qualidade de vida do que praticamente qualquer objecto que poderia ter comprado.

20160802-012743.jpg
(Alguns dos livros que comprei nos últimos anos e que vou guardar)

Nos últimos anos dou por mim a perguntar “mas eu preciso mesmo disto?” sempre que me sinto tentada a comprar qualquer coisa e a verdade é que a resposta costuma ser um grande “não!”. Sem pena, tensão ou culpa – um decidido “não”. E quando me sinto a nadar num mar de dúvidas, tento identificar as emoções por trás do impulso ou desejo repentino. E quando isso fica claro e me sinto calma, vem-me à cabeça algo como: prefiro comprar estas coisinhas ou passar o mês inteiro a comer biológico? Ou ainda… prefiro comprar isto ou guardar este dinheiro para a minha próxima viagem?
Conseguem adivinhar a resposta que costuma sair? Pois…

E a vida muda, passinho a passinho, dia após dia. Comecei a ficar imune a muitas tentações.

Nunca me considerei uma pessoa muito consumista, apesar de no passado ter comprado muito mais do que aquilo que realmente necessitava. Mas sempre menos do que as minhas amigas ou conhecidas. Muito menos! Desde criança que dou muito valor ao dinheiro e tenho o hábito de preferir qualidade à quantidade. Sempre vi o potencial escondido atrás de meia dúzia de trocos e faz-me confusão quando alguém me diz que quer comprar isto ou aquilo por ser tão barato. “Mas, se não precisas, porque compras? Porque é giro e barato! Mas se não precisas, seja barato ou não, estás a deitar dinheiro fora.”

A questão é que meia dúzia de trocos gastos todas as semanas aqui e ali pode parecer pouco mas, quando fazemos a conta final, dá muito, mas mesmo muito dinheiro. Lembro-me de ter uma colega no liceu que se queixava porque nunca tinha dinheiro para ir connosco viajar no verão mas que tinha o hábito de gastar imenso dinheiro com trivialidades no dia a dia. Um dia disse-lhe que se ela comprasse menos 1 bolo e 1 café por dia durante o ano todo e pusesse esse dinheiro num mealheiro, ia chegar a junho com o valor suficiente para ir curtir umas férias fabulosas com a malta. Mas ela não acreditou e nunca fez a conta. Como é que algo tão barato como um bolinho podia fazer essa diferença? Mas a verdade é que faz. Porque facilmente se transforma em 365 bolinhos e cafés num ano. Desde que me lembro de ser gente que penso no dinheiro assim.

20160709-205215.jpg
Mas nunca fui tão poupada como agora…

Nos últimos 20 meses (desde o início de 2015) comprei menos de 20 peças de roupa e acessórios, incluindo calçado, malas, biquinis, roupa interior, óculos e bijuteria. Recebi mais algumas peças de presente e outras poucas que me deram em 2a mão. Comprei uns poucos livros que queria mesmo ler e que não encontrei nas bibliotecas municipais. Não comprei absolutamente nada para a minha casa, com a excepção de umas plantas e 2 electrodomésticos para substituir os que se tinham estragado e que não foi possível arranjar. Esses foram para reciclar. E acabo de comprar (finalmente!) um novo computador portátil, também para substituir o meu antigo que já tinha morrido há muito tempo.

Isto não significa que tenha perdido a capacidade de apreciar a beleza de uma peça ou de ver o engenho e talento de quem a concebeu e a fez. Apenas não sinto necessidade de a ter só porque me atrai e não me sinto com falta de um objecto só porque gosto dele.

Ganhei uma nova perspectiva sobre todo o desperdício, poluição e desgaste individual e colectivo que todo este consumismo barato e rápido anda a criar no mundo. E tento, tanto quanto possível, ter isso na consciência quando tomo as minhas decisões enquanto consumidora e habitante deste planeta.

E para mim, a vida mostra ter uma fluidez muito melhor assim…

“Inventamos uma montanha de consumo supérfluo, compra-se e descarta-se. Mas o que se gasta é tempo de vida. Porque quando eu compro algo, ou você, não compramos com dinheiro, compramos com o tempo de vida que tivemos de gastar para ter esse dinheiro. Mas com esta diferença: a única coisa que não se pode comprar é a vida. A vida se gasta. E é miserável gastar a vida para perder liberdade.” ~ José Mujica

20160709-204813.jpg
ENGLISH:

“You have succeeded in life when all you really want is only what you really need.” ~ Vernon Howard

Less really is more…

Living with less stuff makes me feel more whole. Decluttering and emptying, even if just a little bit, the space I live in makes me feel connected to what I can’t see… That essence that is with us everywhere we go, but gets lost in between the clutter. I can feel it taking shape in an empty space.

I firmly believe the space we inhabit is a reflection of what is going on within and that we can actively improve our state of mind and our health when we get rid of clutter that keeps piling on in our house and our life.

I just can’t, absolutely can not, think when I’m inside a chaotic room, stuffed with things! My brain starts short-circuiting and my body starts begging me to flee. Spaces with way too many objects or overly messy suffocate me and steal my energy, clarity and peace.

I hate clutter and I hate wasting my time cleaning it so I choose to have the least amount of stuff possible around me. Letting go of baggage is one of my favorite activities and it gives me a feeling of openness, freedom and happiness. It’s quite cathartic, to be honest.

Don’t get me wrong, I don’t live like a monk in a cave, no. I have lots of stuff, even though I choose to have a lot less things than all the other people I know, specially when it comes to clothing, accessories and household items.

It’s still a lot more stuff than I need for my life. The truth is, we need so little it’s actually hard to believe!

Whenever I feel a lot of stuck and stalled energy at home, that type of stubborn and uncomfortable energy that just won’t go away even if I keep every window wide open and burn lots of sage or essential oils, I feel like I need to get rid of something that has been stacked around here and has absolutely no purpose or use.

I have this habit of looking at the relationships we have with our things in a very symbolic way.
I’ve found out that having too many options and choices (like with clothing, for instance) doesn’t bring me the expected freedom but lots of anxiety and indecisiveness. When I live with just the bear essentials, like when I’m traveling light, I have a lot more time to dedicate myself to what really brings me joy and I have a lot more time to take care of myself, such as meditating, listening to music, reading, writing or hanging out with friends. And I’m so much more productive, calm and jolly when I stay in minimalistic and tidy spaces.

We create such strong relationships with everything, including objects that are useless, broken or outdated due to two big reasons: fear of the future or inability to let go of the past.

It’s been a while since I started consciously and purposely working on my emotional attachment to things and today I can see quite clearly what binds me to almost all of them. And I choose to let them go.

At the beginning it was a bit difficult but now I do it very naturally. I feel relieved, it makes me feel good… I believe it’s a blessing to donate or sell something that no longer is useful to me but will certainly be of use to somebody else. I enjoy picturing the new life a certain object will get, being used by someone that appreciates it and values it, instead of just being ignored for a few more years on one of my shelfs or in my drawers.

20160709-204728.jpg

For the past 3 years I’ve donated, sold and recycled about half of all my clothes, accessories, household items and books. And it feels so good! I’m still doing it… It’s a work in progress.

This is what I choose to let go of: anything that is outdated, broken, that no longer represents who I am, doesn’t fit me well, doesn’t make me look good, has no purpose, hasn’t been used in over 1 year or anything that I just simply don’t LOVE.

Whenever I feel too overwhelmed to make a decision about keeping a certain object, I hold that item in my hands and ask myself: how does this make my life better? And then I picture my life with the item and after I picture my life without it. For the large majority of things, there’s absolutely no difference!

With the money I made selling all that I managed to pay for my reiki courses (level 1 and 2), surf lessons, two workshops on meditation and quantum energy, a few massages, some gifts for friends and about 4 or 5 books.

Selling that clutter made my life richer, also because of the way I chose to spend the money I got. I invested in experiences and things that keep on giving long after the moment of purchase. That has a much bigger impact on my happiness and quality of life than probably any other object I could have bought.

For the past few years I catch myself asking “but do I really need this?” every time I feel tempted to buy something and, to be honest, most of the time the answer is a big “no!”. Free from pity, tension or guilt – a very assertive “no”. And when I feel I’m drowning in a sea of doubt I try to identify the emotions behind that impulse or sudden desire to buy. When I get clear on that and I feel calm, I just think about something like: would I rather buy this or eat organic all month long? Or even better… would I rather get this or save this money for my next trip?
You can guess the answer to that, right? Right…

And life changes, little by little, day after day.
I began to feel immune to lots of temptations.

I’ve never considered myself to be a big consumerist, even though I had the habit of buying more than I really needed. But still a lot less than my friends or acquaintances. A lot less! Every since I was a child I remember giving a lot of value to money and having the habit of choosing quality over quantity. I guess I’ve always seen a lot of potential even in a few dollars or just cents and it I feels weird to me when people buy this or that just because it’s cheap. “But, if you don’t actually need it, why are you buying it? Because it’s so cute and so cheap! But if you don’t need it, you’re throwing your money away, regardless of being cheap or not.”

The thing is, when you add all of those “just a couple of dollars here and there”, you will realize you’re spending a lot of money weekly or monthly. I remember I had this classmate in high school and she kept complaining because she never had a lot of money to go on vacation with our group of friends during the summer. But she was always spending a lot of money on everyday things and trivialities. One day I told her if she bought one less muffin and coffee everyday and put that money aside in a piggy bank for the whole year of school, she would have enough money for the trip by the time summer arrived. But she wouldn’t believe me and never did the math. How could something so small like a muffin or a cup of coffee make any difference? But it does. Because it quickly turns into 365 muffins and cups of coffee in a year.
Every since I remember being a person I’ve thought about money that way.

20160802-012743.jpg
(Some of the books I’ve bought these last few years. I won’t be selling these for now.)

But I’ve never been this frugal…

For the past 20 months (since the beginning of 2015) I’ve purchased less than 20 pieces of clothing and accessories, including shoes, bags, underwear, bikinis, glasses and jewelry. I got a few more pieces as gifts and a couple more second hand itens from friends. I also got a few books that I really wanted to read but couldn’t find at the local library. I didn’t buy anything for my home, with the exception of a few plants and two appliances to replace the ones that broke down and couldn’t be fixed. Those went to the recycling bin. And I finally bought a new laptop, also to replace my old one that died a long time ago.

This doesn’t mean that I lost the ability to appreciate the beauty of a piece or to acknowledge the talent and genius of those who imagined and created it. I simply don’t feel the need to have it just because I find it appealing and I don’t feel like I’m lacking something just because I liked it.

I’ve gained a new perspective on all this waste, pollution and collective and individual exhaustion that this fast and cheap consumerism has been bringing to the world. And I’ve been trying, was much as possible, to keep that in mind whenever I make my decisions as a consumer and as a resident of this planet.

And to me life seems to flow much better this way…

“We have made up this mountain of pointless consumerism, we buy and we discard. But what we’re wasting is time of life. Because when I buy something, or you, we are not buying it with money, we are buying it with the time of life we had to spend to get that money. But there’s a difference: the only thing you cannot buy is life. Life is spent. And it’s miserable to spend a life to lose freedom.” ~ José Mujica

20160709-205215.jpg


Leave a comment

Green twirl superfood smoothie bowl + a daily affirmation ~ Batido na tigela com remoinhos verdes de superalimentos + uma afirmação diária

20160526-113735.jpg
(PLEASE SCROLL DOWN FOR ENGLISH VERSION)

“Eu sou um íman para o bom da vida. Eu atraio experiências, qualidades e situações lindas – Amor, paz, abundância e alegria vêm ter comigo. Todas as coisas boas fluem até mim e eu recebo livremente sem qualquer hesitação. Eu sou livre. Eu sou completa. Eu sou una com tudo o que existe.”

Ontem, enquanto me sentava para almoçar, obriguei-me a fechar o meu bloco de notas e parar de pensar no trabalho durante alguns minutos para poder desfrutar totalmente da minha refeição. Comer enquanto faço outras coisas é um hábito terrível que estou constantemente a tentar contrariar.

Mas imediatamente antes de pôr o meu bloquinho caótico dentro da mala, vi esta afirmação e respirei fundo e lentamente, permitindo-me sentir estas palavras a ecoar na minha mente e coração durante um momento.

Algo tão simples e tão pequeno como isto tem o poder de mudar tudo em mim e no meu dia.

Sempre que encontro alguma afirmação que ressoa em mim e que muda a minha vibração, escrevo-a em todo e qualquer lado – bloco de notas, diário, telemóvel, agenda, etc.
E a melhor parte é que normalmente acabo por me esquecer disso, até ao momento em que “acidentalmente” a vejo no meio de um turbilhão de tarefas diárias.

Costuma ser no momento exacto em que preciso mesmo de a ler.

E, por estes pedacinhos de magia, sinto-me eternamente grata!

20160526-113753.jpg
Hoje partilho a receita desta refeição. A minha primeira refeição do dia é que costuma ser assim, um batido ou um batido na tigela, mas quando posso almoçar em casa acabo por fazer algo muito parecido outra vez. A base costuma ser bananas congeladas e depois misturo outras frutas ou vegetais.
É a maneira mais fácil que eu conheço para consumir muita fruta e superalimentos diariamente.

Ingredientes:
(Se possível, biológicos)
~ 2 maçãs grandes
~ cerca de 4 bananas grandes congeladas (vejam aqui como congelar)
~ gel de aloe vera (vejam aqui como eu faço)
~ 1 cup/chávena/xícara de água
~ 1 colher de sopa de xarope de ácer (ou 2 ou 3 tâmaras)
~ 1/2 colher de chá de chlorella (usei iswari)
~ 1/2 colher de chá de spirulina (usei iswari)
~ 1 mão cheia de lascas de côco seco

Instruções:
~ juntar tudo numa liquidificadora ou processador de comida, excepto o côco e a spirulina.
~ se usarem as tâmaras, retirem os caroços
~ triturar tudo muito bem e colocar numa taça ou tigela grande
~ deitar a spirulina por cima do batido (e fazer uns remoinhos com a colher para ficar mais bonito. Os olhos também comem!). Pôr as lascas de côco.
~ desfrutem e tenham um dia muito feliz!

20160526-114002.jpg
ENGLISH:

“I am a magnet for the goodness of life. I attract beautiful experiences, qualities and situations – Love, peace, abundance and joy is coming my way. All good things flow to me, and I receive freely without hesitation. I am free. I am whole. I am one with all that is”.

Yesterday, as I sat down for lunch I made myself close my notebook and stop thinking about work for a few minutes to fully enjoy my meal. Eating while doing something else is a terrible habit that I fight constantly.

But right before I put my little chaotic notebook back in my bag, I saw this affirmation and I took a long deep breath and allow myself to feel these words as they echoed in my mind and heart for a moment.

Something so small and simple like this has the power to shift everything about me and my day.

Whenever I find one affirmation that resonates with me and changes my vibration, I write it anywhere and everywhere ~ notebooks, diary, phone, calendar, and so on. The best part is that I usually end up forgetting all about it, until the moment I “accidentally” see it again, while in the middle of some turmoil, doing everyday stuff.

It’s usually the moment I need to see it the most.

And for that little bit of magic, I am always so grateful!

20160526-113808.jpg
Today I’m sharing the recipe for this meal. Usually it’s my breakfast that looks like this, a smoothie or a smoothie bowl, but if I’m having lunch at home I end up doing something pretty similar again. The base is usually frozen bananas and then I mix it with some other fruit or veggies. It’s the essiest way I know to enjoy lots of fruit and superfoods on a daily basis.

Ingredients:
(Organic, if possible)
~ 2 large apples
~ about 4 large frozen bananas
(See here how to freeze them)
~ aloe vera gel (see here how I get it)
~ 1 cup of water
~ 1 tablespoon of maple syrup (or a couple of dates)
~ 1/2 teaspoon of chlorella (I used iswari)
~ 1/2 teaspoon of spirulina (I used iswari)
~ 1 handful of coconut dried flakes

Directions:
~ put everything in a blender or food processor, except for the coconut flakes and spirulina.
~ de-seed dates if using
~ blend really well and put it in a large bowl.
~ top with the spirulina (use the spoon to twirl it a bit on the surface so it looks prettier. We eat with our eyes, too!) and coconut flakes
~ enjoy and have a beautiful day!

20160526-113753.jpg


Leave a comment

Creamy apple and ginger smoothie and A Course in Miracles ~ Batido cremoso de maçã e gengibre e Um Curso em Milagres

20151223-154007.jpg
(PLEASE SCROLL DOWN FOR ENGLISH VERSION)

Nestas últimas semanas, tem sido este o meu cenário logo após acordar, onde vou buscar o combustível e a inspiração para mais um dia – um batido cremoso de maçã e gengibre e as lições de Um Curso em Milagres.

Se tivesse que escolher um único livro para ler durante o resto da minha vida, seria este.

São incontáveis as ocasiões em que os meus olhos encontraram as primeiras linhas da introdução deste livro, nos últimos 3 ou 4 anos. Lê-las provocou sempre um eco tremendamente vibrante cá por dentro.

“Este é um curso em Milagres. É um curso obrigatório. Só é voluntário o momento em que decides fazê-lo. Livre arbítrio não significa que podes estabelecer o currículo. Significa apenas que podes escolher o que queres aprender em determinado momento. O curso não tem por objetivo ensinar o significado do amor, pois isso está além do que pode ser ensinado. Ele objectiva, contudo, remover os bloqueios à consciência da presença do amor, que é tua herança natural. O oposto do amor é o medo, mas o que tudo abrange não pode ter opostos.

Mas de algum modo, arranjei sempre maneira de me convencer de que ainda não estava bem preparada, ainda não, para mergulhar profundamente e me comprometer com o estudo de tais palavras. Que não era esperta ou dedicada o suficiente e demasiado preguiçosa e superficial para compreender o que quer que fosse que lá estivesse. Portanto, nem valia a pena tentar, não é Catarina?

Ui, o meu ego consegue ser feroz mas, tal como se costuma dizer, a luz só precisa da fresta mais mínima para começar a entrar.

E finalmente, devido a algo que me andava a aparecer constantemente durante as meditações, desisti da resistência e arranjei o livro. E, surpreendentemente, não foi preciso qualquer esforço.
Senti que algo por aqui se rendeu e abriu um espaço enorme, muito quieto, tão receptivo e tranquilo, mas ao mesmo tempo tão forte que sinto que chega para conter um rio inteiro.

Tenho levado isto com muita calma mas posso dizer que, logo desde a primeira frase, ler este livro oferece-me aquele sentimento que só pode ser descrito com aquele clichê piroso de “sensação de voltar a casa”. Tal e qual, piroso e clichê, mas tão verdadeiro.

Tenho feito as lições diárias e ando a ler o texto e hoje escolhi partilhar aqui algumas palavras logo do início que ressoaram bastante comigo:

“A evolução é um processo no qual aparentemente passas de um estágio ao seguinte. Corriges os teus passos equivocados anteriores, caminhando para a frente. Esse processo é, de facto, incompreensível em termos temporais, porque retornas na medida em que avanças. A Expiação é o instrumento através do qual podes te libertar do passado na medida em que avanças. Ela desfaz os teus erros passados, assim fazendo com que seja desnecessário que tenhas que ficar revendo os teus passos sem avançar para o teu retorno.”

E enquanto deixamos isto a marinar durante um bocado, vamos passar para este batido muito cremoso, delicioso e saudável.

20151223-153948.jpg
Esta receita dá cerca de 1 litro, que é a quantidade que eu costumo ingerir após acordar. Por favor adapta as quantidades consoante as tuas necessidades pessoais.

(Para saber mais sobre estes ingredientes, basta clicar no nome.)

Ingredientes:
(Se possível, biológicos)
3 ou 4 bananas (frescas ou congeladas)
3 maçãs médios e saborosas
1 naco pequeno de gengibre fresco (mais ou menos do tamanho da ponta do polegar)
1 colher de chá de Ashwaganda em pó ou Maca em pó
1 cup/chávena/xícara de água

Instruções:
Tirar os caroços às maçãs e a casca às bananas e gengibre (eu gosto de comer a casca das maçãs).
Pôr tudo num liquidificador ou processador de comida e triturar até ficar muito cremoso.
Servir logo de seguida.

E para quem estiver a ler isto, quero que saibas que te estou muito grata e que desejo que tenhas umas Festas felizes e em paz, onde quer que estejas.
E sim, mais uma vez, piroso e clichê, mas tão verdadeiro.

20151223-154052.jpg
ENGLISH:

For the past few weeks, this is what has kept me company right after waking up, as I fuel and inspire myself for another day – a creamy apple and ginger breakfast smoothie and the lessons from A Course in Miracles.

If I had to pick only one book to read for the rest of my life, this would be it.

There were countless times during the past 3 or 4 years when my eyes came across the opening lines from the introduction of this book and reading it has always produced a tremendously vibrant echo within me:

“This is a course in miracles. It is a required course. Only the time you take it is voluntary. Free will does not mean that you can establish the curriculum. It means only that you can elect what you want to take at a given time. The course does not aim at teaching the meaning of love, for that is beyond what can be taught. It does aim, however, at removing the blocks to the awareness of love’s presence, which is your natural inheritance. The opposite of love is fear, but what is all-encompassing can have no opposite.”

But somehow I kept finding a way to convince myself that I wasn’t quite ready, not just yet, to dive in completely and commit fully to the study of such words. That I wasn’t that smart or dedicated and way too lazy and superficial to even get any of it. So way even try, Catarina?

Oh, my ego can be fierce but it’s like they say, it only takes the tiniest crack for the light to make its way in.

So finally, because of something that showed up to me during meditation, time and time again, I gave up resistance and got the book. And surprisingly, it was quite effortless.
I felt something right here surrendering and clearing a huge quiet space that seems so receptive and so very calm, while also feeling strong enough to hold an entire river.

I’m taking it slow but I can tell you that from the very first sentence, reading it gives me that feeling that can only be described with that cheesy cliché of “coming home”. Yap, cheesy and cliché, but so true.

I’ve been doing the daily lessons and reading the text and today I chose to share with you a few words from one of the first pages that really resonated with me:

“Evolution is a process in which you seem to proceed from one degree to the next. You correct your previous missteps by stepping forward. This process is actually incomprehensible in temporal terms, because you return as you go forward. The Atonement is the device by which you can free yourself from the past as you go ahead. It undoes your past errors, thus making it unnecessary for you to keep retracing your steps without advancing to your return.”

And while we let that marinate for a while, let’s go straight to this creamy, delicious and healthy smoothie.

20151223-154024.jpg
This gives about 1 liter, which is what I usually have for breakfast but please adapt the quantities according to your personal needs.

(To learn more about these ingredients, just click on the names.)

Ingredients:
(Organic, if possible)
3 or 4 bananas (frozen or fresh)
3 tasty medium size apples
1 small slice of fresh ginger
1 teaspoon of ashwaganda powder or maca powder
1 cup of water

Instructions:
De-seed the apples, remove skin from ginger and peel the bananas (I like to eat the skin from the apples). Place everything in a blender or food processor and blend until it’s creamy. Serve right away.

And to whoever is reading this, I want you to know that I’m very grateful for you and I wish you happy and peaceful Hollidays, wherever you may be.
And yet again, cheesy and cliché, but so true.


2 Comments

Equinox Raw blueberry and strawberry Pie ~ Tarte crua de mirtilos e morangos para o Equinócio

20150916-204012.jpg
(PLEASE SCROLL DOWN FOR ENGLISH VERSION)

Esta tarte crudívora (raw) e vegana foi criada para um convívio feminino quando começou o tempo quente e foi um verdadeiro sucesso. Foi devorada num instante, por entre uma bela conversa cheia de línguas roxas tingidas pelos mirtilos!

Entretanto ficou aqui na gaveta, meio esquecida, até que me pareceu ser uma bela ideia partilhá-la em jeito de celebração do Equinócio.

Festejar o fim do Verão é algo que, muito provavelmente, nunca irei fazer. Nunca. Jamais. Nem pensar. Nunca!

A não ser, claro, que esse fim de estação incluísse fazer as malas e partir para mais perto do equador, ou até mesmo para o hemisfério sul.
Preciso de sol e calor como de ar! O frio e os dias cinzentos roubam-me energia vital a uma velocidade que me é difícil contrariar.

20150916-204042.jpg
Mas sei que para viver em pleno tenho que me render sem bloqueios ao fluxo natural da Terra e da Vida.
Os ciclos, os altos e baixos, inícios e fins, a dualidade de tudo e de todos nós.
Algo que já aprendi é que não é possível celebrar a luz ignorando a sombra, seja minha ou de outro.

Ser feliz não é estar sempre contente e animada. Ser feliz obriga-me, mais do que nunca, a mergulhar bem fundo em todas os sentimentos, lutando contra qualquer inclinação para a superficialidade.

Mergulhos em apneia, sem parceiros e sem mapa, tendo sempre presente que a intenção não é ficar pela escuridão escavando e explorando, mas sim percorrê-la de uma ponta à outra, até voltar a subir pelo outro lado, sempre de tocha bem ardente na mão. O único GPS é mesmo essa luz.

Que não se encontra lá fora ou por aí, mas que se incendeia mais e mais, à medida que nos vamos recordando que quem somos verdadeiramente.

“A escuridão não pode expulsar a escuridão. Apenas a luz pode fazer isso.”
Martin Luther King

20150916-204131.jpg
E neste espírito de partilha e de evolução, desejo-vos um Outono feliz e saboroso, cheio de tartes, mergulhos, paciência e compaixão.

Ingredientes:
(Se possível, biológicos)
Para a base:
3 cups/chávenas/xícaras de amoras brancas secas OU flocos de aveia sem glúten OU amêndoas.
2 cups/chávenas/xícaras de tâmaras (sem xaropes)
Para o recheio:
3 cups/chávenas/xícaras de mirtilos
1 cup/chávena/xícara de morangos
1,5 cups/chávenas/xícaras de tâmaras (sem xaropes)

Instruções:
~ se optarem por usar as amêndoas, ponham-nas de molho primeiro para ficarem mais saudáveis. Mais info aqui.

~ usar um processador de comida para fazer farinha com as amêndoas, as amoras ou os flocos, consoante tiverem escolhido.

~ tirar os caroços às tâmaras e juntar à farinha, triturando tudo junto. Fica pronto quanto tiverem uma massa pegajosa tipo crumble, com pedacinhos bem pequeninos.

~ polvilhar uma forma de tarte (com cerca de 23 cm) com um bocado de côco ralado ou forrá-la com papel vegetal. Isto evita que a massa se cole ao fundo.
Depois é só deitar a massa na forma, pressionando e espalhando com as mãos, criando uma massa fina na base da forma e um bocadinho também nos lados da forma.

~ se optarem por mirtilos e morangos congelados, convém deixá-los descongelar primeiro e depois retirar a água em excesso. Caso contrário o recheio fica muito líquido.
Se usarem morangos frescos, retirem as folhinhas.

~ pôr todos os ingredientes do recheio num processador de comida e triturar muito bem.

~ deitar o recheio no meio da forma de tarte e espalhar uniformemente usando uma espátula ou colher grande.

~ podem enfeitar como preferirem, usando sementes, fruta, etc. Eu optei por deixá-la minimalista, sem decoração.

~ deixei no congelador durante a noite (cerca de 6 horas) e depois deixei a tarte à temperatura ambiente cerca de 1 hora antes de servir.

20150916-204207.jpg
ENGLISH:

This raw vegan pie was created for a get together with some girls, back when the warm weather was just starting and it proved to be a huge success.
It disapeared in a couple of minutes, during a delicious conversation with lots of blueberry purple tongues!
I almost forgot about it in the meantime until I was wondering about which recipe to share for the Equinox.

Celebrating the end of Summer is something I’ll most likely never do. Never. Ever. No way. Never!

Unless, of course, that ending means packing up my bags and moving closer to the equador or even the southern hemisphere.
I need the sun and the heat like I need air! Cold and grey days rob me of my vital energy at such a fast pace I can’t really fight back.

20150916-204234.jpg
But I do know that in order to live life to the fullest I must surrender to the natural flow the Earth and Life.
The cycles, the ups and downs, beginnings and endings, the duality of everything and every single one of us.

Something that I have learned is that it isn’t possible to celebrate the light while ignoring the shadow, whether it’s mine or someone else’s.

Being happy isn’t about being joyful and upbeat all the time. Being happy pushes me, more now than ever, to dive deeply in all of my feelings, fighting any inclination for superficiality.

Skin diving, with no partners or maps, always keeping in mind that the intention is not to stay in the darkness exploring or digging, but to cross it from one corner to the other and come up on the other side, while holding firmly a fiery torch on my hand. The only GPS is that light.
We can’t find it out there somewhere, because what makes this light grow is remembering who we really are.

“Darkness cannot drive out darkness. Only light can do that.”
Martin Luther King

20150916-204255.jpg
So, in the spirit of sharing and evolving, I wish you a happy and delicious Fall with lots of pie, diving, patience and compassion.

Ingredients:
(Organic, if possible)
For the crust:
3 cups of dried mulberries OR gluten free oats OR almonds
2 cups of dates (without syrup)
For the filling:
3 cups of blueberries
1 cup of strawberries
1,5 cups of dates (without syrup)

Directions:
~ if using almonds don’t forget to soak them first so they’re healthier. More info on soaking here.

~ use a food processor to make flour with the almonds, oats or mulberries, according to your choice.

~ de-seed dates and add them to the flour in the food processor and process again. It’s ready when you get a sticky dough, resembling a crumble.

~ use a 9 inch (23 cm) pie pan and sprinkle it with some desiccated coconut or cover it with parchment paper. This prevents getting your crust glued to the pan.

~ place the crust in the pan and use your hands to press it down and spread it evenly, making a thin crust on the bottom of the pan as well as on the sides.

~ if you choose to use frozen fruit, you must let it defrost and remove the excess water. Otherwise the filling will be too liquid. If using fresh strawberries don’t forget to remove the leaves.

~ place all ingredients for filling in a good processor and blend very well.

~ pour the filling into the middle of the pie and use a big spoon or spatula to spread it evenly.

~ you may decorate your pie as you wish, using fruit, seeds and so on. I kept mine super minimalistic and didn’t decorate at all.

~ I left the pie in the freezer overnight (about 6 hours) and took it out about 1 hour before serving.


1 Comment

Carrot and cinnamon raw nana ice cream ~ Gelado cru de banana, cenoura e canela

20150701-150241.jpg
(PLEASE SCROLL DOWN FOR ENGLISH VERSION)

Aproveitei esta tarde tão cinzenta para vir aqui escrever algumas linhas, coisa que já não faço há algum tempo. Espero que este post vos encontre bem e que andem a aproveitar ao máximo o vosso verão (ou inverno, dependendo do vosso hemisfério actual).

Eu tenho andado a ser puxada para todo o tipo de actividades ao ar livre porque o desejo de me fundir com o sol, o mar e a natureza em geral tem sido muito forte. Tenho aproveitado todas as oportunidades para o fazer e também para desfrutar da companhia de outras pessoas.

Os meses mais quentes fazem-me sentir tão mais viva e ligada à vida que tento mergulhar profundamente neles sem hesitação. Para dizer a verdade, a última coisa que me tem apetecido ultimamente é ficar dentro de casa, de rabo sentado a olhar para este ecrã e escrever.

Nos momentos em que não me é possível estar lá fora a tirar partido deste clima fantástico e da beleza natural da costa portuguesa, tenho investido em leitura, exercício físico e meditação. Ou simplesmente ponho-me a praticar o silêncio para ver se consigo ouvir melhor o que este mundo tem para me ensinar. A descoberta parece nunca terminar…

Resumindo e concluindo, tenho andado a seguir aquilo que me ilumina e me faz sentir mais feliz. Dizem que essa é a maneira certa de fazer esta coisa chamada de vida, não é?

Queria partilhar convosco um pouco de um dos meus livros preferidos que gosto de revisitar de vez em quando. Há livros que quando os volto a ler parece que já sei de cor cada frase, cada palavra, sinto o eco de cada uma delas bem cá no fundo, mas mesmo assim sabe-me sempre tão bem voltar lá. Tal é o caso de “O regresso ao amor” de Marianne Williamson:

“O amor é aquilo com que nós nascemos. O medo é aquilo que nós aprendemos aqui. A jornada espiritual é o abandonar – ou o desaprender – do medo e a aceitação do amor de volta aos nossos corações. O amor é o facto existencial essencial. É a nossa realidade final e o nosso propósito na Terra. Estar conscientemente ciente dele, experimentar o amor em nós mesmos e nos outros é o significado da vida. O significado não reside nas coisas. O significado reside em nós mesmos.”

“Qualquer situação que nos provoque é uma situação em que ainda não temos a capacidade de amar incondicionalmente.”

“É através do nosso próprio despertar pessoal que o mundo pode ser desperto. Nós não podemos dar aquilo que não possuímos.

Não sei se este é o tipo de literatura que ressoa convosco, mas eu leio e releio este livro desde 2012 porque nunca se torna cansativo ou ultrapassado e parece fornecer-me sempre respostas que por vezes nem sabia andar à procura.

20150701-150212.jpg
E hoje também trago uma receita muito simples, como já é meu hábito.

Tenho feito gelado cru de banana quase todos os dias para a minha primeira refeição e uma das minhas versões preferidas é esta.

Eu sei que algumas pessoas não têm muito apetite logo quando acordam, mas eu saio da cama esfomeada e gosto de desfrutar de uma boa e grande refeição logo de manhã, a seguir a beber 1l de água morna com limão.

O ideal é respeitar sempre os ritmos naturais do organismo de cada um e não tentar contrariá-lo. Podem e devem alterar sempre as quantidades das receitas de acordo com o vosso apetite e necessidades físicas.

Ingredientes:
(Se possível, biológicos)
5 ou 6 bananas congeladas
1 cenoura bem grande ou 2 médias
3 ou 4 tâmaras demolhadas e sem caroço
1/3 de colher de sopa com canela em pó
Opcional: 1 colher de chá de maca ou ashwaganda em pó

Instruções:
Cortar as cenouras e juntar tudo num liquidificador ou processador de comida. Alguns liquidificadores necessitam de um pouquinho de líquido para funcionarem bem. Se for o caso do vosso, acrescentem a quantidade de água necessária. Triturar tudo até ficar uma pasta homogénea com a consistência de gelado. Por vezes é necessário parar a meio de triturar e dar uma ajuda com uma colher ou garfo para misturar tudo bem. Servir e comer de seguida. Podem ainda juntar os vossos toppings preferidos, como pepitas de cacau, côco ralado, amoras brancas secas, etc.

20150701-150319.jpg
ENGLISH:

I’m taking advantage of a very grey afternoon to come here and write, something I haven’t done in quite some time. I hope this post finds you well, hopefully making the most of your summer (or winter, depending on which hemisphere you are at the moment).

Lately I’ve been pulled to all sorts of outdoors activities because the desire of merging with the sun, sea and nature in general has been so strong. I’ve been seizing all the oportunities to do so and also to enjoy the company of others.

The warmer months make me feel so much alive and in tune with life, I try to dive fully into them without hesitation. Honestly, the last thing I’ve been wanting is to stay at home, sit on my butt, stare at this screen and write.

During the moments I can’t be outside enjoying this amazing weather and the beauty of the portuguese coast, I’ve been investing my time in reading, physical exercise and meditation. Or simply practicing silence to better listen to what this universe has to teach me. It seems to be a never ending discovery…

Long story short, I’ve been following what lights me up and makes me feel most happy. They say that’s the way to do this thing called life, right?

I wanted to share a little bit of one of my favorite books, one I like to revisit every once in a while. There are books that I seem to one every sentence, every word by hard and every time I reread it I can feel the eco of each word in the bottom of myself. But it still feels good to go back to them every single time. One of those books is “The return to Love” by Marianne Williamson:

“Love is what we are born with. Fear is what we learn. The spiritual journey is the unlearning of fear and prejudices and the acceptance of love back in our hearts. Love is the essential reality and our purpose on earth. To be consciously aware of it, to experience love in ourselves and others, is the meaning of life. Meaning does not lie in things. Meaning lies in us.”

“Any situation that pushes our buttons is a situation where we don’t yet have the ability to love unconditionally.”

“It is only through our own personal awakening that the world can be awakened. We cannot give what we do not have.

Maybe this type of literature isn’t what resonates with you but I’ve been reading and rereading this book since 2012 and it never feels boring or old. And it seems to give me answer I didn’t even know I was looking for.

20150701-150300.jpg
And today I’m bringing you a very simple recipe, as usual.

I’ve been eating nana ice cream pretty much every morning and this is one of my favorite versions.

I’m aware that some people don’t have much of an apetite when waking up but I get out of bed feeling really hungry, needing a good and large meal right away, after drinking 1liter of warm water with lemon.

The best thing to do is to respect the natural rhythm of your body and don’t try to force anything. So, please feel free to adjust the quantities of the recipe, according to your appetite and physical needs.

Ingredients:
(Organic, if possible)
5 or 6 frozen bananas
1 very large carrot or 2 medium carrots
3 or 4 soaked de-pitted dates
1/3 of tablespoon of cinnamon powder
Optional: 1 teaspoon of maca or ashwaganda powder

Directions:
Chop the carrots and put everything in a blender or food processor. Some blenders require a bit of liquid to work properly, so if it’s the case with yours, just add a little bit of water. Blend everything very well untill it’s the consistency of ice cream. You may need to stop the blending a few times and give it a twist with a spoon or fork. Serve and eat right away. You may add your favorite toppings such as cacao nibs, coconut, dried mulberries and so on.


Leave a comment

Basil, tomato and mango raw dressing and easy raw meals + Molho cru de manjericão, tomate e manga e refeições crudívoras simples

20150524-232504.jpg
(PLEASE SCROLL DOWN FOR ENGLISH VERSION)

Nos últimos tempos tenho escrito pouco, tenho andado numa fase de mais introspecção em que só me apetece receber e acolher em vez de exteriorizar e comunicar.

Eu costumo dizer que quanto mais limpamos a vida, mais temos que limpar.
Quanto mais límpidas as águas de um lago, melhor se consegue ver a sujidade e os destroços bem lá no fundo, os mesmo que antes nem sabíamos que existiam porque estavam cobertos pela poluição à superfície.

Ultimamente sinto-me assim, a remover os últimos grandes destroços bem lá do fundinho.
E apesar de sentir que grande parte do trabalho duro já foi feito, aquilo que foi ficando para o fim acaba por ser, provavelmente, o mais difícil, o mais entranhado no lodo.

Por isso tenho dado por mim a dedicar grande parte dos meus dias a muito trabalho interior e quase invisível, com meditações, exercícios e leitura para identificar, processar e alterar tudo o existe no meu subconsciente e que ainda funciona como um travão no fluxo da vida que desejo viver: crenças, hábitos, comportamentos, padrões, memórias, histórias, relações, apegos e por aí fora. Tudo o que é negativo, que já não me serve e me impede de evoluir na direcção que escolhi.

E o restante tempo tenho-me deixado guiar por um dos nossos mais perfeitos sistemas de GPS: a alegria! Beijos de sol na pele, bailar com a espuma do mar que lava a alma, sentir a brisa do vento que já vem chegando quente e me transporta para longe e desfrutar de livros que me levam de volta à inocência de ser criança.

Hoje trago-vos uma citação de um desses livros que revisitei recentemente:

“Vou contar-te o tal segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos…”
O principezinho, Antoine de Saint-Exupery

20150524-232532.jpg
E hoje trago-vos uma receita de um molho que faço com bastante frequência para juntar aos meus jantares crudívoros.

Ando com tendência para escolher refeições muito simples e quase minimalistas, como saladas com uma grande cama de verdura e mais 2 ou 3 vegetais cortados para dar textura.

Juntando um molho como este faz com que a salada fique muito mais saborosa, cremosa e tenrinha.
Não resulta num prato muito vistoso mas é uma maneira muito fácil e rápida de nutrir o corpo com muita fibra, proteína, vitaminas, minerais e água.

As minhas saladas costumam ser bem grandes, caso contrário fico com fome passado meia hora.
Usem os vossos vegetais favoritos e podem ir variando consoante a época do ano, mas deixo-vos uma lista dos que costumo usar mais (nas quantidades que preparo para mim):

Saladas simples crudívoras:

~Cama de Verdura:
1 alface grande (qualquer tipo)
2 ou 3 mãos de chicória, rúcula ou espinafres

~ Outros vegetais para dar textura:
1 Pimento vermelho grande
1 pepino grande ou 1 courgette grande (cortados ou espiralizados como esparguete)
2 cenouras grandes (cortadas ou raladas)
2 ou 3 tomates grandes
2 talos grandes de aipo

Se quiserem juntar gordura saudável a este tipo de refeição, o melhor é mesmo adicionar 1/2 abacate ou algumas sementes (previamente demolhadas, se necessário).

20150524-232550.jpg
E agora, o molho!
Este molho também é uma bela opção para comer com os crepes de arroz recheados com vegetais crus.

Molho de manjericão, manga e tomate:

Ingredientes:
(Se possível, biológicos)
1 manga grande
3 tomates grandes
5 ou 6 folhas de manjericão fresco

Instruções:
~ Retirar a casca da manga e remover os pés dos tomates.

~ Juntar tudo num processador de comida ou liquidificadora estruturar até terem um molho uniforme.
(Algumas liquidificadoras não funcionam sem adicionarem um pouco de líquido. Se for o caso da vossa, juntem um bocadinho de água)

~ Deitar o molho na taça da salada já cheia com os vegetais que escolheram. Misturar tudo muito bem e deixar repousar durante uns minutinhos para que a verdura amoleça ligeiramente e os sabores fiquem bem ligados.

20150524-232606.jpg
ENGLISH:

I haven’t been doing much writing lately, I’ve been in a more introspective stage where all I feel like doing is to receive and shelter instead of externalizing and communicating.

It seems the more we clean our lives, the more there is to clean.
The clearer the water of a lake, the easier it is to see all the dirt and wreckage at the deep bottom, the same that we didn’t know existed because it was previously covered by the pollution on the surface.

That’s how I’ve been feeling lately, like I’m removing the last and biggest pieces of wreckage at the very deep bottom. And even though I feel most of the hard work has already been done, the pieces that were left for last are probably the most difficult ones to remove, as they are too rooted in the mud.

So I’ve found myself spending most of my days doing a lot of inner and almost invisible work, with lots of meditation, exercises and reading in order to identify, process and change what still inhabits my subconscious that is blocking the flow of my desired life: beliefs, habits, behaviours, patterns, memories, stories, relationships, attachments and so on. Everything that is negative, doesn’t serve me anymore or is preventing me from growing in the direction I have chosen for myself.

For the remaining time, I’ve just been letting myself be guided by our most perfect inner GPS system: joy!
Sun kissing my skin, cleansing the soul dancing with the ocean spray, feeling the wind getting warmer each day, taking me far away and enjoying books that bring me back to the innocence of little children.

Today I bring you a quote from one of those books I’ve been revisiting:

“Here is my secret. It is very simple. It is only with the heart that one can see rightly; What is essential is invisible to the eye.”
The little prince, Antoine de Saint-Exupery

20150524-232626.jpg
And today I also bring you a recipe for a dressing I make quite often for my raw dinners.
I’ve been drawn to really easy and almost minimalistic meals, like salads with a big bed of leafy greens and only 2 or 3 more vegetables chopped up for some extra texture.

Adding dressings like this one makes the salads a lot tastier, creamier and tender. It’s not the most beautiful meal but it sure is an incredibly easy and fast way to nurture the body with lots of fiber, vitamins, minerals, protein and water.

My salads are usually quite big, otherwise I get hungry about 30 minutes after I’ve finished eating.
You can use your favorite vegetables and rotate according to the seasons, but I’m sharing a list of my usual choices (with the quantities I eat):

Easy raw salads:

~ Bed of leafy greens:
1 large head of lettuce (any kind)
2 or 3 handfuls of chicory, arugula or spinach

~ Other veggies for texture:
1 large red bell pepper
1 large cucumber or zucchini (chopped or spiralized)
2 large carrots (chopped or grated)
2 or 3 large tomatoes
2 large celery stalks

If you wish to add some healthy fats to this type of meal, the best way is to add 1/2 of an avocado or some seeds (previously soaked if needed).

20150524-232641.jpg
And now the dressing!
This dressing is also a great choice to make with rice paper rolls stuffed with raw veggies.

Basil, mango and tomato raw dressing:

Ingredients:
(Organic, if possible)
1 large mango
3 large tomatoes
5 or 6 fresh basil leaves

Directions:
~ De-skin the mango and de-stem the tomatoes.

~ Put everything in a food processor or blender and process until you get a creamy and even sauce. (Some blenders may require some liquid to work properly. If it’s the case with your blender, just add a little bit of water).

~ Pour the dressing over your large bowl of salad and mix everything really well. Let it sit for a few minutes before eating, as this allows for the greens to get tender and all the ingredients to soak up the flavors.


16 Comments

Finding a tribe + Raw Brownie Truffles (low fat) ~ Encontrar uma tribo + Trufas cruas de Brownie (baixo em gordura)

20150430-182612.jpg
(PLEASE SCROLL DOWN FOR ENGLISH VERSION)

Pensei nesta receita porque no outro dia tive um convívio com umas meninas e não sabia bem o que levar para o lanche. Acabei por fazer uma tarte crua de mirtilos que resultou muito bem, mas docinhos individuais como estas trufas ou patés como o guacamole ou hummus também são sempre boas escolhas para estas ocasiões.

No dia desse convívio fiquei a pensar em como tantos momentos sociais são organizados à volta da comida, desde encontros informais a ocasiões marcantes e importantes como aniversários, casamentos, o natal e tantas outras datas celebradas.

Para mim o importante é mesmo a companhia e a ligação que estabeleço com os outros. É óbvio que não gosto de passar fome e que fico insuportável se estiver com a barriga a dar horas, mas para mim a comida tem um lugar secundário, no que toca a socializar.
Já tive muitos momentos em que me ofereceram comida divinal mas onde me vi rodeada de pessoas com quem não me conseguia ligar, pessoas com energias, interesses e perspectivas tão desalinhados dos meus que me vi incapaz de desfrutar do momento.

São essas as alturas em que ouço perguntas interiores como: é mesmo isto que queres fazer com o teu tempo aqui? É com este tipo de influências que vais construir o teu caminho? Porque é que aceitas participar em algo que não é construtivo para ti?

A única coisa que me impede de sair porta fora nessas alturas é ouvir um sussurro que me diz: shine your light. (Faz brilhar a tua luz. – Sim, estes meus “sussurros” costumam vir em inglês, saberá Deus porquê.)
E esforço-me para me focar no que posso contribuir para que essa troca se torne positiva, enriquecedora e construtiva. Nem sempre sinto que consigo, devo confessar. De qualquer forma, costumo sair de lá com a vontade de não voltar a repetir o episódio.

E a verdade é que já me vi nesta situação amiúde e, por vezes, ao meu lado estavam pessoas que já faziam parte da minha vida há muito tempo. De repente apercebo-me que crescemos em direcções diferentes, que aquela que eu sou hoje já não tem nada a ver com quem eles se tornaram. Que não faz sentido tentar caminhar lado a lado porque no meio de nós cresceu um rio tão grande que já nem se avista a outra margem. E para quê insistir no que naturalmente se esgotou?

Por vezes estar com pessoas assim tem como único propósito evitar a solidão.
Eu vejo a companhia e a comunidade como algo que enriquece uma vivência, que traz verdadeiro significado ao termo “qualidade de vida”. Conecções verdadeiras, partilhas e ligações profundas são a diferença entre um dia vazio e um dia enriquecedor.

Encontrar uma tribo de almas com quem nos identificamos, com quem podemos partilhar sonhos e pesadelos, a nossa luz e a nossa sombra, é a derradeiro benção para qualquer um. Tenho aprendido que todas as relações têm um propósito e um prazo e que todas servem para aprendermos algo fundamental sobre a nossa existência. Cabe-nos a nós não repetir as lições.

Quanto mais tenho coragem para ser fiel a mim própria e a ser honesta sobre aquilo que sinto, penso ou acredito, mais facilmente as relações mudam. Os amigos que não o são verdadeiramente desaparecem como areia nas mãos e começam a aparecer outros cujos olhos brilham quando se reconhecem em algo que eu partilho, que vêm timidamente com um desejo de me dizerem ao ouvido: “eu também sou assim”.

O problema é que muitas vezes vemos a nossa essência, a nossa autenticidade, como algo mau, que nos prejudica e nos separa. Olhamos para o que nos torna únicos como algo que nos torna diferentes, anormais, bizarros, loucos. E quem é que quer ser assim? Não. Queremos ser aceites, sentir que somos amados e que fazemos parte de algo.

E quase sem nos apercebermos, passamos um tempo infinito a esconder quem somos, a tentar ser quem achamos que devíamos ser, ou aquela pessoa que nos fizeram acreditar que tínhamos que ser. Não é de surpreender que nos vejamos rodeados por pessoas iguais, máscara atrás de máscara, com medo de se encararem ao espelho e verem que só restam os fantasmas.

Mas o que nos escapa é que ser vulneravelmente verdadeiro é exactamente o que faz de nós interessantes, únicos, autênticos e é a isso que a essência das outras pessoas responde. É essa parte de nós que toca o âmago das outras pessoas, que faz com que se revejam em nós.

E é isso que funciona como um íman, uma bússola que nos guia para encontrarmos uma tribo de espíritos alinhados na mesma frequência. E essa sim, é uma comunidade que merece o nosso investimento, que nos inspira, que nos ajuda a crescer, que nos ajuda a evoluir na direção do bem pessoal e universal.

Muitas vezes me censurei quando comunico ou até quando escrevo para o blog com receio de ser mal interpretada, de parecer meio louquinha ou lunática, mas a verdade é que quanto mais honesta sou, melhor é a resposta que recebo. É mais forte, mais profunda, mais arrebatadora. Porque é uma resposta que vem da fonte e não da superfície de quem me lê.

Quantas vezes eu própria fico surpreendida com aquilo que sou hoje e penso na reacção que o meu eu de há uns 5 ou mais anos atrás teria ao conhecer o meu eu de hoje. Mas não tenho dúvidas que se iriam reconhecer uma na outra e que iriam ser amigas. De loucos? Sim!

Há uma frase que me surge constantemente nos últimos tempos que me faz tremer e rir ao mesmo tempo, porque é algo que evitamos uma vida inteira mas que faz tanto sentido como respirar: let your crazy out! (Deixa sair a tua loucura!).

Ando a praticar deixar-me levar por este novo GPS pessoal, sem julgamento ou medo. E é esse o conselho que dou a qualquer pessoa que queira encontrar um grupo, uma nova família, uma comunidade. Só a conseguimos encontrar depois de já nos termos encontrado a nós próprios. Quando ficamos prontos para nos abraçarmos completamente, também o mundo fica pronto para nos responder na mesma moeda. Na dúvida, let your crazy out!

Quando mais me deixo guiar por esta orientação, mais os outros se revelam, tanto positiva como negativamente, mas ao menos recebo a verdade que há neles. E assim torna-se fácil ver quem nos quer dar a mão para fazer a jornada de volta a casa.
E todos os outros, ficam livres para seguir o seu próprio caminho com as escolhas que conseguem fazer agora. E quem sabe, um dia, nos voltaremos a cruzar por esses trilhos?

“A felicidade só é verdadeira quando partilhada.” Christopher McCandless
(aconselho vivamente o livro onde é contada a história verídica deste rapaz que abandonou a vida em sociedade à procura de uma existência que transcendesse o materialismo ~ “O lado selvagem” de Jon Krakauer)

20150430-182634.jpg
E agora sim, voltamos à receita que é tão boa para partilhar com os nossos entes queridos.

Quando comecei a escrever este post, a minha ideia era partilhar a receita da tarte crua de mirtilos, mas algo me disse que não era a altura certa para isso e vários acontecimentos acabaram por me guiar a estas trufas.

Esta é uma adaptação da minha receita dos Brownies crus, baixos em gordura e sem frutos secos que são uma verdadeira delícia. E as trufas ficam tão docinhas que nem dá para acreditar que não levam açúcar processado!

Ingredientes:
(Se possível, biológicos)
1 cup/chávena de tâmaras (sem xaropes adicionados)
1 cup/chávena de amoras brancas secas (usei Iswari)
4 colheres de sopa com alfarroba em pó
1/2 colher de sopa com canela em pó
1/2 colher de chá de baunilha em pó

Instruções:
~ Demolhar as tâmaras durante alguns minutos até ficarem moles e depois retirem os caroços.

~ Juntar tudo num processador de comida e triturar até ficar uma pasta uniforme e pegajosa.

~ Depois basta fazer bolinhas do tamanho que desejarem, usando apenas as mãos.

~ Podem comer logo ou podem deixar no congelador durante 1 horita para ficarem mais duras e crocantes.

20150430-182657.jpg
ENGLISH:

I thought about this recipe the other day, as I was planning a little get together with some girls and didn’t quite know what snacks to bring. I ended up making a raw blueberry pie that turned out amazing but other good choices for this type of situation are little individual sweets like these truffles or spreads like guacamole or hummus.

That day I came to think about how most social events revolve around food, from casual get togethers to important days like birthdays, weddings, the holidays and so many other celebrations.
But to me, the important thing has to be the company I’m with and the connection I’m able to set with others. I obviously don’t enjoy being hungry and I get a horrible temper when I, but food is quite secondary to me on those moments.

I’ve been in many places where divine food was being served but where I found myself surrounded by people whose energy, interests and perspectives where so out of tune with mine that I just couldn’t truly enjoy the moment.

Those are the times where I hear little inside questions like: is this really how you wish to spend your time here? Is this the kind of influence that will help you build your path? Why do you take part of something that just isn’t constructive to you?

And the only thing preventing me from running out the door is a whisper that tells me: shine your light. And I do try hard to focus on whatever positive, enriching or constructive input I may have to offer right there. I must confess I don’t always feel accomplished and either way, I go home wishing not to go through that again.

But, truth be told, I’ve found myself in that situation often and sometimes the people surrounding me had been a part of my life for many years.
And suddenly, I realise that we’ve grown in completely different directions, that the person I am today has nothing to do with whom they have become. And it just feels awkward that we keep on trying to walk side by side because between us has grown a river so wide we can’t even see the other bank. Why insist on something that naturally drained away?

Sometimes being in such company is a sole excuse to avoid loneliness.
I see companionship and community as something that truly enriches the experience of living, that brings true meaning to the term “quality of life”.
Honest connections, profound shares and links can summ up the difference between an empty day or a valuable one.
The ultimate blessing to anyone is to find a tribe of like-minded souls, someone we can relate to, someone who embraces our dreams and nightmares, our light and our shadow.
I have learned that all relationships have a purpose, an expiration date and all of them happen to teach us something fundamental about our own existence. It’s up to us not to repeat the lessons.

The more courage I have to be true to myself and to honor what I feel, think and believe, the faster relationships change. Friends that aren’t really so disappear like sand running down my hands but others start showing up with a sparkle in their eyes that comes from identifying themselves with some piece of me I have shared. They come in shyly with a desire to whisper in my ear: I’m just like you.

The problem is we often see our essence, our authenticity as bad, as something that brings us harm and separates us from the rest.
We look at what makes us unique as something that makes us different, weird, bizzare, crazy. And who wants to be that person? No. We crave acceptance, love, integration.
And so, without quite being aware of it, we spend years on end hiding who we are, trying to be who we think we should be or who someone told us we had to be.

It’s no surprise we find ourselves surrounded by the exact same people, masks behind masks, too afraid to look in the mirror and confront the ghosts. But what we don’t realise is that what makes us interesting, unique, authentic is being vulnerably real. And that is exactly what other people’s essence respond to. That’s the piece of us with the power to touch the core of someone else, that allows them to see themselves in us.

And it works as a beautiful magnet, a compass that guides us to a tribe of spirits aligned with our frequency. And that is a community worth of our investment, that inspires, helps us grow and evolve in the direction of personal and greater good.

So many times in the past I have censured myself while communicating or even just writing for this blog, fearing to be ill interpreted or judged as half crazy or a lunatic, but the more honest I get, the better the response. It’s stronger, deeper, more breathtaking. Because it comes from the source and not the surface of those who read my words.

I often think about how the person I used to be 5 or more years ago would react to the person I have become today and I’m sure they would still be able to recognise themselves in one another and try to be friends. Crazy? Oh yeah!

There’s a sentence that keeps showing up everywhere lately and makes we laugh and shiver at the same time, as it calls for something as natural as breathing but we avoid it with all our strenghts: let your crazy out!

I’ve been practising to let this new sort of personal GPS guide me, without any fear or judgement. And that is the advice I give anyone looking for a new group, family, community. We will only find it after finding ourselves. When we are ready to wellcome all of who we are, the world becomes ready to do the exact same thing. When in doubt, let your crazy out!

The more I let this guidance rule my journey, the more others reveal themselves to me, either positively or negatively, but at least I’m being offered the truth.
And so it becomes easy to learn who wants to take my hand and find the way back home with me, while the rest become free to roll down their own road with the choices they are ready to make right now.
And who knows, maybe our paths will cross again someday…

“Happiness is only real when shared” Christopher McCandless
(I strongly advise the book about the real life story of this guy’s journey from leaving behind a life in society in search for an existente beyond materialism ~ “Into the wild” by Jon Krakauer)

20150430-182717.jpg
And now back to the recipe, because it’s such a good one to share with your loved ones.

Actually, when I first started writing this post, my idea was to share the recipe for the raw blueberry pie but something made me feel it wasn’t the right timing and several coincidences ended up guiding me to these Truffles.

This is an adaptation of my raw, low fat, nut free and delicious Brownie recipe. The Truffles turned out so good you won’t believe there’s no processed sugar in them!

Ingredients:
(Organic if possible)
1 cup of dates (without added syrups)
1 cup of dried mulberries (I used Iswari)
4 tablespoons of carob powder
1/2 tablespoon of cinnamon powder
1/2 teaspoon of vanilla powder

Directions:
~ Soak the dates for some minutes until they get really smooth and de-seed them.

~ Put everything in a food processor and blend until you get a sticky dough that looks even.

~ Use your hands to roll the dough and make balls, as big as you wish.

~ You may eat it right away or place it in the freezer for 1 hour to make them crunchy and hard.

20150430-182735.jpg


Leave a comment

Raw pad thai + Practicing forgiveness ~ Pad Thai cru + Praticando para perdoar

20150401-234722.jpg
(PLEASE SCROLL DOWN FOR ENGLISH VERSION)

“Perdoar nem sempre é fácil. Por vezes, parece mais doloroso do que a ferida sofrida, perdoar aquele que a infligiu. E no entanto, não há paz sem perdão.” Marianne Williamson

Tenho andado a alimentar um verdadeiro romance com mangas e com elas volto a paragens asiáticas, avivando a minha memória a cada dentada. Esta receita transporta-me de volta à Tailândia, mais uma vez. É a minha versão leve e saudável de um prato frito tradicional.

Com estas viagens pus-me a pensar em como a distância física sempre se mostrou minha aliada no que toca a solucionar problemas na minha vida. Sempre.

Bastava-me entrar no aeroporto ou subir para um comboio que ganhava logo nova perspectiva sobre qualquer que fosse o drama que me atormentava no momento. E quantos mais quilómetros ficavam para trás, quanta mais paisagem desfilava pela minha janela, mais fácil e simples a solução para qualquer problema se tornava.

Sim, a distância física e geográfica traz-me distância emocional, espaço vazio para que me possa retirar do centro do furacão e transformar-me em espectadora desse mesmo furacão, recebendo informação e ferramentas necessárias para evitar o desastre. Não há nada que me apazigúe o coração como um oceano de incontáveis toneladas de água entre mim e um drama.

Mas nem sempre é assim. Nem sempre posso apanhar um avião e mudar de continente para conseguir observar a vida de outra perspectiva, outro ângulo, outro meridiano, outro hemisfério. E por vezes, por muita estrada que se percorra, acabamos por nos aperceber que há uma corrente que nos liga a uma âncora, que fica fossilizada no ponto de partida. Por muito longa que seja essa corrente, chega o momento em que o óbvio se apodera de nós – é uma prisão.

Conheço muita gente que, mesmo tendo a possibilidade de se afastarem fisicamente sempre que lhes apetece, arrastam atrás de si as histórias que os prendem ao passado, por muito que se afastem, levam tudo às costas. Como quem leva a almofada quando parte à aventura. Nunca consegui perceber as pessoas que levam a almofada nas viagens. Ou melhor, consigo perceber, mas não percebo! Percebem? Acho tão simbólico! Viajar arrastando os pés em grilhões que não nos permitem realmente viajar, sair do nosso quotidiano, sair da nossa confortável realidade. Por muito que seja má e até já esteja fora de validade, é a nossa confortável realidade. Para mim, isso é a antítese de viajar.

Mas acho que muita da gente que eu conheço dá por si do outro lado do mundo e, em vez de desfrutar da experiência e conseguir deitar abaixo as muralhas que comprimem o seu pequeno mundo, não se conseguem libertar do que carregam e enchem-se de frustração. Há bagagem que temos que deixar para trás, caso contrário não conseguimos avançar.

Muita dessa bagagem carregamos desde o início da viagem por acharmos que é parte essencial da nossa história. Sem ela, sem essa história que repetimos na nossa mente todos os dias, quem seremos nós afinal? Mas a verdade é que ela não nos define, nós identificamo-nos com ela mas é uma opção, um hábito tão antigo como a nossa vida, que acaba por nos limitar. Ver essa velha bagagem pelo que ela simplesmente é – peso que asfixia – acaba por ser uma decisão que não estamos habituados a tomar.

Um dos primeiros passos para lá chegar, para conseguir retirar dessa mala cada peça que já não nos serve nem nos é útil, é perdoar. Os outros, a nós próprios, a história, tudo. Pode ser a coisa mais difícil que se faz na vida, mas depois de o fazer, parece tão simples.

Há uma vida antes e depois do perdão. Nada nunca mais é o mesmo.
Libertar os ombros desse peso é um trabalho interno muito pessoal e que ninguém pode fazer por nós, mas vale a pena, vale mais a pena do que provavelmente qualquer outra coisa e quem ganha somos nós e todos e tudo à nossa volta.

Há um exercício de meditação muito simples que se pode fazer em qualquer lado:
~ Fechar os olhos, controlando a respiração, profunda e lenta, e pensar na pessoa ou situação que nos mantém ancorados no passado e dizer, em voz alta ou interior, eu perdoo-te. Eu perdoo-te.
~ Repetir durante algumas respirações, imaginando o fluxo de ar a abrir carinhosamente as partes do corpo que se manifestem durante o exercício, criando tensão ou dor.
~ Depois, quando conseguirem manter um estado de calma e leveza, imaginem uma lanterna ou uma vela cintilante no vosso peito e encaminhem essa luz para essa pessoa. Em cada expiração, o fluxo de luz aumenta e fica mais forte. Sempre a repetir a frase, eu perdoo-te.

Uns minutos todos os dias faz milagres ~ porque o importante, como em qualquer exercício, é a consistência.

Acreditem, é simples mas não é fácil, mas é um hábito que se constrói dia após dia. E um dia, pode ser para o mês que vem, pode ser daqui a 10 anos, mas um dia ao repetir este exercício diário, vão aperceber-se que conseguem sentir genuinamente o que dizem e que a única coisa que vos invade quando o fazem é uma onda de amor.
E por esse dia vale a pena todo o esforço e trabalho, porque esse é o dia em que nascemos outra vez.

“O verdadeiro perdão não é falta de discernimento nem o produto de pensamento difuso. Nas palavras de Um curso em milagres, é um recordar selectivo. Escolhemos lembrar o amor que experienciámos e desapegarmo-nos do resto que não era mais que ilusão. Isto não nos torna mais vulneráveis à manipulação ou exploração; de facto, torna-nos menos vulneráveis a isso. Porque a mente que perdoa é uma mente mais próxima da sua verdadeira natureza. Eu perdoar-te não significa que ganhaste. Não significa que te safaste. Significa simplesmente que estou livre para voltar para a luz, reclamar a minha paz de espírito e permanecer lá.” Marianne Williamson

20150401-234748.jpg
E agora voltamos à viagem culinária…
Esta receita é para 1 pessoa mas se vos parecer pouca quantidade, estejam à vontade para duplicar os ingredientes ou juntar, por exemplo, uma cama de alface por baixo da massa.

Ingredientes:
(Se possível, biológicos)
1 courgette grande
3 cenouras grandes
Opcional: 1 cup/chávena/xícara de cogumelos brancos
Para o molho:
2 cups/chávenas/xícaras de manga cortada
1 cup/chávena/xícara de courgette cortada
2 mãos cheias de cebolinho
2 mãos cheias de erva limeira (ou 1 colher de sopa de erva limeira em pó)
Sumo de 1/2 lima
1 pedaço de gengibre do tamanho de um polegar
Opcional: 2 colheres de sopa de tahini

20150401-234805.jpg
Instruções:
~ Utilizar um espiralizador para fazer a massa de courgette e cenoura (eu como com casca). Se não tiverem um espiralizador, podem fazer a massa de courgette com uma mandolina ou ralador de buracos largos, seguindo as indicações desta receita. E podem ralar a cenoura com um ralador. No fim, juntem tudo numa taça grande.

~ coloquem todos os ingredientes para o molho num processador de comida ou liquidificadora potente e triturem até ficar um molho homogéneo, sem pedaços.

~ deitar o molho por cima da massa e misturar tudo muito bem. Se gostarem, juntem os cogumelos cortados em pedaços pequenos.

~ eu gosto de aguardar uns 15 minutos antes de comer para que o esparguete ganhe o sabor do molho. Na minha opinião, não vale a pena deixar no frigorífico porque a comida crua sabe melhor à temperatura ambiente.

20150401-234821.jpg
ENGLISH:

“Forgiveness is not always easy. At times, it feels more painful than the wound we suffered, to forgive the one that inflicted it. And yet, there is no peace without forgiveness.” Marianne Williamson

I’ve been nourishing a love affair with mangoes lately and they keep taking me back to Asia, reviving my memory at every bite. This recipe transports me to Thailand, yet again. It’s my light and healthy version of a traditional fried dish.

This traveling got me thinking about how physical distance has always proven to be my ally when it comes to solving problems in my life. Always.

As soon as my feet touched the airport or I got on a train, I would instantly find new perspective about whatever issue that was troubling me at the time. And the more miles I left behind, the more landscape running down my window, the easier it was to find the solution for any problem.

Yes, physical and geographical distance give me emotional distance, empty space that allows me to get out of the eye of the storm and transform myself into a spectator of that storm, available to receive any information or tools necessary to avoid disaster.
Nothing quite settles my heart as knowing there is an ocean made of umcountable amounts of water between myself and a drama.

But it isn’t always so.
I can’t always just catch a plane and move from one continent to another to observe life from a different perspective, another angle, a new meridian, the other hemisphere. And there are times when, not matter how much road we travel, we end up realizing there’s a chain connecting us to an anchor left at our departure point, fossilized.
As long as the chain may be, it becomes obvious it will never be anything but a prison.

It comes to my mind how many people I know that, even though they have the opportunity to get away whenever they want, they keep dragging all the stories that chain them to the past, no matter how far they go. They carry all of it on their shoulders.
Like people that take their pillow when they go on an adventure. I never understood people that take their pillow when travelling. I mean, I get it but I don’t get it! Get it?
It’s so symbolic! Travelling while dragging our feet in shackles that keep us from really travelling, that keep us from getting out of our routine, our little comfortable reality. Even if it’s a really bad one or way past it’s due date, it’s still our little comfortable reality. To me, that’s the antithesis of travelling.

But I know a lot of people that find themselves on the other side of the world and, instead of enjoying the experience and tearing down the walls that compress their world, they just can’t let go of the baggage and start fueling up with frustration. There’s baggage we need to leave behind, or we’ll never be able to move forward.

A lot of that baggage we keep carrying since the beginning of our journey because we believe it’s an essential part of our story. Without it, without this little story we keep telling ourselves everyday, what are we left with? But in truth, that story doesn’t define who we are, we identify with it but it’s a choice, a choice as old as our life that limits us in every way. Choosing to see that ancient baggage for what it truly is – weight that asphyxiates us – ends up being a decision we just aren’t used to make.

One of the first steps to take us there, to the place where we can feel at ease with letting go of every thing that no longer serves us, is to forgive. Ourselves, others, the story, everything. It may be the most difficult thing in life but after it’s done, it seems so simple.

There’s a life before forgiveness and there’s a life after it. Nothing is never the same. Releasing ourselves from all the weight we have been carrying on our shoulders is a personal inside work that no one else can do for us. But it’s worth it, it’s worth it more than probably any other thing and you’ll benefit from it as much as everyone and everything around you.

There’s a very simple meditation exercise we can practice anywhere:
~ close your eyes, controlling your slow and deep breath, and focus on the person or situation that has been keeping you anchored in the past and say, outros or with your inside voice, I forgive you. I forgive you.
~ repeat it for a few breaths, picturing the air you exhale opening gently every part of your body that may manifest itself during the exercise, creating any tension or pain.
~ when you can mantain a state of calm and relaxation, imagine a candle or lantern on the middle of your chest, beaming with light. Visualize that light going straight to the other person. Every exhalation, the flow of light expands and gets stronger. And keep repeating, I forgive you.

A few minutes everyday will work wonders, for it’s all about consistency, as it is with any type of exercise.

Believe me, it’s simple but not an easy work, but it’s a habit we can build day after day. And one day, it could be next month or in 10 years, but one day you’ll notice that you can honestly feel the words you’re saying and the only feeling rushing through you while you say it, is Love. And that day makes it all worthwhile, because that is the day we are born again.

“True forgiveness is not the lack of discernment or the product of fuzzy thinking. In the words of A course in miracles, it is a selective remembering. We chose to remember the love we experienced, and let go of the rest as the illusion it actually was. This doesn’t make us more vulnerable to manipulation or exploitation; in fact, it makes us less so. For the mind that forgives is a mind that is closer to its true nature. The fact that I forgive you doesn’t mean you won. It doesn’t mean you got away with something. It simply means I’m free to go back to the light, reclaim my inner peace and stay there.” Marianne Williamson

20150401-234837.jpg
And now we can get back to the culinary tour… This recipe serves 1 person but if you feel it’s not big enough for you, feel free to double the quantity or, for example, add a bed of lettuce under the noodles.

Ingredients:
(Organic, if possible)
1 large zucchini
3 large carrots
Optional: 1 cup of white mushrooms
For the dressing:
2 cups of chopped mango
1 cup of chopped zucchini
2 handfuls of scallions
2 handfuls of lemongrass (or 1 tablespoon of lemongrass powder)
Juice from 1/2 lime
1 piece of ginger (about the size of a thumb)
Optional: 2 tablespoons of tahini

20150401-234856.jpg
Directions:
~ use a spiralizer to make the noodles with the zucchini and carrots. If you don’t have a spiralizer, you can you a mandolin or a shredder with large holes to make the zucchini noodles, following the directions on this recipe. And you may simply shred the carrots. When you’re finished, place everything in a large bowl.

~ place all the ingredients for the dressing in a food processor or high speed blender and process until you get an even dressing, without any chunks.

~ pour the dressing on top of the noodles and mix everything very well. If you’re a fan, add the mushrooms, chopped into tiny pieces.

~ I like waiting at least 15 minutes or so before I eat it because the noodles soak up the flavours from the dressing. Leave it at room temperature as raw food usually tastes better when it’s not refrigerated, in my opinion.

20150401-234912.jpg


6 Comments

5 things I Love! ~ 5 coisas que Adoro!

20150325-224202.jpg
(PLEASE SCROLL DOWN FOR ENGLISH VERSION)

Nem acredito que já passaram tantos meses desde a última vez que escrevi um post destes! Andei tão concentrada nas receitas que me fui esquecendo disto, mas nunca é tarde demais para retomar esta prática pública de difundir a gratidão e reconhecer o que adoro no meu mundo. Não há atitude melhor para começar ou acabar o dia, principalmente se o dia for mau.
Nesses dias, nos que custam mais, é quando a gratidão faz ainda maior diferença
.
Vamos a isto! E temos que repetir em breve!

“Reconhecer o bom que já existe na tua vida é a fundação para toda a abundância.”
Eckhart Tolle

20150325-224038.jpg

1 ~ Fotografias a contraluz.
Quem me segue no Instagram já deve ter reparado que tenho uma ligeira obsessão com fotografias em contraluz. É a melhor representação de como eu vejo e sinto o sol, como uma bomba de fogo, de energia, que me contagia, me toca e me torna parte dele.

Ver o sol em todo o seu poder traz-me à lembrança aquilo que as nossas células já sabem ~ somos todos feitos do mesmo, somos todos lava do mesmo vulcão e partilhamos esta luz que, por muito que a tentemos negar, não nos abandona.
Nada traduz tão bem o que sinto como isto:

“Somos todos Espírito individualizado e mantemos a mesma relação com a Mente Universal como a relação que o raio de sol mantém com o sol.”
Dr. Venice J. Bloodworth ~ Key to yourself

20150325-172826.jpg

2 ~ Cuidar bem da minha pele.
No que toca a lavar o corpo, prefiro usar sabonetes do que gel de banho ou loções porque duram muito mais tempo e normalmente não vêm dentro de embalagens de plástico, o que torna esta opção mais económica e mais amiga do ambiente.

Mas nem todos os sabonetes são iguais, pois não? Alguns estão repletos de químicos muitíssimo prejudiciais para a nossa pele que é mesmo o nosso maior órgão.
E eu tenho um lema que não esqueço nunca: se não te imaginas a comer isso então porque usá-lo na tua pele?

É uma das razões que me leva a gostar tanto dos sabonetes da Saponina, um pequeno projecto português com produtos artesanais feitos com ingredientes de alta qualidade como azeite virgem, manteigas vegetais, óleos essenciais, ervas aromáticas e flores. E o melhor é que têm opções veganas.

Tenho andado a usar este lindo sabonete que podem ver na foto e posso dizer que fiquei fã. Sabem quando pegamos num produto e conseguimos sentir o amor, carinho e atenção que foi empregue na sua criação? É tão especial mas nada habitual, não concordam?

Este sabonete tem um aroma delicioso e suave a erva príncipe e perpétuas roxas que contribuem para uns momentos muito relaxantes no chuveiro e deixa-me com a pele calma e macia sem ficar gordurosa.
Esta beleza veio com uns discos perfumados e muito amorosos que eu pus dentro das gavetas e agora tenho a roupa interior a cheirar a primavera. Uma delícia!

20150325-223104.jpg

3 ~ Cristais e pedras semi-preciosas.
Sempre tive uma certa atracção por alguns cristais e pedras mas achava que era só por serem esteticamente agradáveis. Mas agora que ando a aprender sobre a frequência energética que cada um deles contém, assim como os campos magnéticos que emitem, fico pasmada como as minhas predilecções fazem, afinal, tanto sentido. O que eu considerava ser uma orientação superficial, consegue ser muito mais inteligente do que eu imaginava.

Agora, sempre que não tenho qualquer informação sobre determinada pedra ou cristal, escolho aquele que me atrair mais, ou como eu costumo dizer, aquele que “falar comigo”.

Um dos meus cristais preferidos é ametista. O anel tenho-o há tantos anos que nem me lembro de não o ter. A ametista é perfeita para meditar e fortalecer a nossa ligação ao mundo espiritual porque consegue acalmar a mente e ajuda a relaxar. É muito usada para protecção energética, para tranquilizar os estados emocionais e também para ajudar a curar o corpo ~ aparentemente consegue melhorar a qualidade do sono, limpar o organismo de substâncias nocivas como os aerossóis, contribui para uma melhor circulação sanguínea e é um bom aliado de quem luta contra algum vício, entre muitas outras coisas. Este cristal costuma ser associado às energias dos chakras 6 e 7, mas por vezes também surge referenciado como um bom cristal para trabalhar o chakra 4.

20150325-173715.jpg

4 ~ Piñatas!
Lembram-se do filme Clube de combate? Vá lá, claro que se lembram! O Brad Pitt… De tronco nu… A lutar… Avivaram a memória? ;)
Pois bem, eu sou de opinião que deveria existir um clube da piñata tal e qual como esse. De vez em quando juntávamo-nos todos para despedaçar uma bela piñata! Estou convencida que o mundo seria muito melhor se tivéssemos algo assim, muito mais recheado de paz e amor.

Estão a ver aquele stress que se entranha debaixo da pele e não desaparece nem por nada? Nem com meditação, nem yôga, nem surf ou o que quer que pratiquem para relaxar. Nada! Esse tipo de stress! Uma piñata resolvia o assunto. Não acham? Estão a seguir o meu raciocínio? Mas temos que alterar as regras do clube: a primeira regra do clube da piñata é que temos que falar sempre sobre o clube da piñata.

Para o nosso primeiro encontro já me estou a imaginar a destruir uma peça de fruta gigante mas o limite é mesmo só a nossa imaginação. Uma das minhas antigas colegas de Macau anda a mudar o mundo para melhor, uma piñata de cada vez e agora podem ver o trabalho fabuloso dela aqui.

20150325-224943.jpg
(Fotos das Piñatas por Piñata Colada)

5 ~ Esta música.
Há alguns anos atrás vi-me envolvida num grave e complicado problema que durou pouco (pouco?!) mais de um ano e sempre que eu me focava em manifestar a resolução que desejava para esse problema, esta música começava a tocar, independentemente de onde eu estivesse. Todas as vezes! Todas as vezes que conseguia manifestá-lo e sentir com todo o meu corpo o sopro de alegria e alívio, como se já tivesse recebido as boas notícias, a música aparecia do nada. Tornou-se num sinal que me reconfortava com a noção de que tudo iria terminar bem e que o desfecho que eu imaginava se iria concretizar. E deste então, adoro esta música! Para mim, continua a ser um lembrete de que o raio da magia existe mesmo! Que o universo, para além de me escutar continuamente, está mesmo do meu lado! Obrigada, obrigada, obrigada!

20150325-224116.jpg
ENGLISH:

I can’t believe it’s been so many months since the last time I wrote a post like this! I’ve been so focused on the recipes, I completely forgot about it. But it’s never too late to return to my public practice of showing gratitude and acknowledging what I love in my world. There’s no better attitude to start or end a day, specially a bad day. On those really bad ones, that’s when being grateful makes the biggest difference.
Let’s do it now and let’s do it often!

“Acknowledging the good that you already have in your life is the foundation for all abundance.”
Eckhart Tolle

20150325-224038.jpg

1 ~ Backlight photos.
If you follow me on instagram, you’ve probably noticed that I have a slight obsession for backlight photographs.
It is the best representation of how I see and feel the sun, as a bomb made of fire, of energy, that spreads into me, touches me and takes me as a part of itself.

Seeing the sun in all its power reminds me of something our cells already now ~ we are all made from the same stuff, we are all lava from the same volcano, sharing this light that doesn’t give up on us, no matter how much we deny it. Nothing translates this feeling as well as this:

“We are all individualized Spirit and bear the same relation with the Universal Mind as the sunbeam does to the sun”.
Dr. Venice J. Bloodworth ~ Key to yourself

20150325-172558.jpg

2 ~ Taking good care of my skin.
When it comes to washing my body, I would rather use soaps than liquid gels or lotions because soaps last a lot longer and don’t usually come with a lot of plastic packaging, which makes it a cheaper and more eco-friendly option.

But not all soaps are created equal, are they? Some have a lot of nasty chemicals that hurt our skin wich happens to be our largest organ and I have one motto to live by: if you wouldn’t eat it, why would you put it on your skin?

This is one of the reasons I love the soaps from Saponina, a small portuguese project. Their soaps are handmade from high quality ingredients like cold pressed olive oil, plantbased butters, essential oils, herbs and flowers. Plus, there are several vegan options.

I’ve been using the lovely soap you can see in this picture and I really like it. The best part is I can hold this soap and just feel the love, attention and care that was put in its’ creation. How wonderful is it when we feel that? It’s not often, is it?

This soap has a delighful but soft scent of lemongrass and red globe amaranth that make for a very relaxing moment in the shower and it leaves my skin feeling calm and smooth without being greasy.
This pretty little thing came with a few very cute scented disks that I’ve placed in my drawers and now my underwear is smelling like spring. Delicious ;)

20150325-223120.jpg

3 ~ Crystals and gemstones.
I’ve always felt a certain atraction for some crystals and gemstones but I used to think it was merely because they are so aesthetically pleasing.

But now that I’ve been learning about the energy of these stones and the magnetic fields they create, I get stunned when I realize how much sense my choices actually made. I thought it was just a superficial decision but it was being guided by a much bigger inteligence that I could never had imagined before.

Now, whenever I don’t have any information about a certain type of stone, I just let myself choose whichever I feel more attracted to or, as I usually put it, whichever “speaks to me”.

One of my favorite crystals is Amethyst. I’ve had that ring for so many years that I don’t even recall not having it. Amethyst is perfect for meditation and strenghtening our connection to the spiritual world because it can calm down the mind and help us to relax. It’s commonly used for energetic protection, to balance emotional states and it has many healing properties ~ apparently it can improve the quality of our sleep, it can detox the body from harmful substances such as aerosols, improves blood circulation and it’s of great help for those fighting addiction, amongst many other things. This crystal tends to be used to work with the energy from chakras 6 and 7 but some people also like using it for chakra 4.

20150325-173715.jpg

4 ~ Pinatas!
Do you remember the movie Fight Club? Come on, of course you remember! Brad Pitt… Shirtless… Fighting… Ring a bell? ;)
Well I think there should be a Pinata club just like that! Every once in a while we would all get together and smash a good pinata! I’m convinced the world would be a much better place, way more loving and peaceful.

You see, do you know that stress that gets under your skin and nothing seems to get rid of it? Not meditation, not yoga, not surfing or whatever it is that you do to relax. Nothing! That kind of stress? A pinata would work! Right? See what I mean? But we need to change the rules of the club: first rule of pinata club is to always talk about pinata club!

For our first little get together I’m picturing myself smashing a giant piece of fruit but the only limit is your imagination. One of my former classmates from Macau is making the world a better place, one pinata at a time and now you can see her amazing work right here.

20150325-224943.jpg
(Pinata photos by Pinata Colada)

5 ~ This song.
A few years ago I went through a really tough and complicated problem that lasted a little (little?!) over one year and every single time I focused on manifesting my desired outcome for that issue, this song would pop up, regardless of where I was. Every single time! Every single time I could manifest it and feel in my entire body the pure joy and relief as if I had already received the good news, this song started playing. It became a sign that reassured me that everything was going to be fine and that the outcome I envisioned would become reality. And I’ve loved it ever since! This song, to me, is a reminder that freaking magic is real! That the universe not only is listening to me but actually has my back. Thank you, thank you, thank you!

20150325-224249.jpg