The extra in the ordinary

By Catarina Guimarães


Leave a comment

Basil, tomato and mango raw dressing and easy raw meals + Molho cru de manjericão, tomate e manga e refeições crudívoras simples

20150524-232504.jpg
(PLEASE SCROLL DOWN FOR ENGLISH VERSION)

Nos últimos tempos tenho escrito pouco, tenho andado numa fase de mais introspecção em que só me apetece receber e acolher em vez de exteriorizar e comunicar.

Eu costumo dizer que quanto mais limpamos a vida, mais temos que limpar.
Quanto mais límpidas as águas de um lago, melhor se consegue ver a sujidade e os destroços bem lá no fundo, os mesmo que antes nem sabíamos que existiam porque estavam cobertos pela poluição à superfície.

Ultimamente sinto-me assim, a remover os últimos grandes destroços bem lá do fundinho.
E apesar de sentir que grande parte do trabalho duro já foi feito, aquilo que foi ficando para o fim acaba por ser, provavelmente, o mais difícil, o mais entranhado no lodo.

Por isso tenho dado por mim a dedicar grande parte dos meus dias a muito trabalho interior e quase invisível, com meditações, exercícios e leitura para identificar, processar e alterar tudo o existe no meu subconsciente e que ainda funciona como um travão no fluxo da vida que desejo viver: crenças, hábitos, comportamentos, padrões, memórias, histórias, relações, apegos e por aí fora. Tudo o que é negativo, que já não me serve e me impede de evoluir na direcção que escolhi.

E o restante tempo tenho-me deixado guiar por um dos nossos mais perfeitos sistemas de GPS: a alegria! Beijos de sol na pele, bailar com a espuma do mar que lava a alma, sentir a brisa do vento que já vem chegando quente e me transporta para longe e desfrutar de livros que me levam de volta à inocência de ser criança.

Hoje trago-vos uma citação de um desses livros que revisitei recentemente:

“Vou contar-te o tal segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos…”
O principezinho, Antoine de Saint-Exupery

20150524-232532.jpg
E hoje trago-vos uma receita de um molho que faço com bastante frequência para juntar aos meus jantares crudíveros.

Ando com tendência para escolher refeições muito simples e quase minimalistas, como saladas com uma grande cama de verdura e mais 2 ou 3 vegetais cortados para dar textura.

Juntando um molho como este faz com que a salada fique muito mais saborosa, cremosa e tenrinha.
Não resulta num prato muito vistoso mas é uma maneira muito fácil e rápida de nutrir o corpo com muita fibra, proteína, vitaminas, minerais e água.

As minhas saladas costumam ser bem grandes, caso contrário fico com fome passado meia hora.
Usem os vossos vegetais favoritos e podem ir variando consoante a época do ano, mas deixo-vos uma lista dos que costumo usar mais (nas quantidades que preparo para mim):

Saladas simples crudíveras:

~Cama de Verdura:
1 alface grande (qualquer tipo)
2 ou 3 mãos de chicória, rúcula ou espinafres

~ Outros vegetais para dar textura:
1 Pimento vermelho grande
1 pepino grande ou 1 courgette grande (cortados ou espiralizados como esparguete)
2 cenouras grandes (cortadas ou raladas)
2 ou 3 tomates grandes
2 talos grandes de aipo

Se quiserem juntar gordura saudável a este tipo de refeição, o melhor é mesmo adicionar 1/2 abacate ou algumas sementes (previamente demolhadas, se necessário).

20150524-232550.jpg
E agora, o molho!
Este molho também é uma bela opção para comer com os crepes de arroz recheados com vegetais crus.

Molho de manjericão, manga e tomate:

Ingredientes:
(Se possível, biológicos)
1 manga grande
3 tomates grandes
5 ou 6 folhas de manjericão fresco

Instruções:
~ Retirar a casca da manga e remover os pés dos tomates.

~ Juntar tudo num processador de comida ou liquidificadora estruturar até terem um molho uniforme.
(Algumas liquidificadoras não funcionam sem adicionarem um pouco de líquido. Se for o caso da vossa, juntem um bocadinho de água)

~ Deitar o molho na taça da salada já cheia com os vegetais que escolheram. Misturar tudo muito bem e deixar repousar durante uns minutinhos para que a verdura amoleça ligeiramente e os sabores fiquem bem ligados.

20150524-232606.jpg
ENGLISH:

I haven’t been doing much writing lately, I’ve been in a more introspective stage where all I feel like doing is to receive and shelter instead of externalizing and communicating.

It seems the more we clean our lives, the more there is to clean.
The clearer the water of a lake, the easier it is to see all the dirt and wreckage at the deep bottom, the same that we didn’t know existed because it was previously covered by the pollution on the surface.

That’s how I’ve been feeling lately, like I’m removing the last and biggest pieces of wreckage at the very deep bottom. And even though I feel most of the hard work has already been done, the pieces that were left for last are probably the most difficult ones to remove, as they are too rooted in the mud.

So I’ve found myself spending most of my days doing a lot of inner and almost invisible work, with lots of meditation, exercises and reading in order to identify, process and change what still inhabits my subconscious that is blocking the flow of my desired life: beliefs, habits, behaviours, patterns, memories, stories, relationships, attachments and so on. Everything that is negative, doesn’t serve me anymore or is preventing me from growing in the direction I have chosen for myself.

For the remaining time, I’ve just been letting myself be guided by our most perfect inner GPS system: joy!
Sun kissing my skin, cleansing the soul dancing with the ocean spray, feeling the wind getting warmer each day, taking me far away and enjoying books that bring me back to the innocence of little children.

Today I bring you a quote from one of those books I’ve been revisiting:

“Here is my secret. It is very simple. It is only with the heart that one can see rightly; What is essential is invisible to the eye.”
The little prince, Antoine de Saint-Exupery

20150524-232626.jpg
And today I also bring you a recipe for a dressing I make quite often for my raw dinners.
I’ve been drawn to really easy and almost minimalistic meals, like salads with a big bed of leafy greens and only 2 or 3 more vegetables chopped up for some extra texture.

Adding dressings like this one makes the salads a lot tastier, creamier and tender. It’s not the most beautiful meal but it sure is an incredibly easy and fast way to nurture the body with lots of fiber, vitamins, minerals, protein and water.

My salads are usually quite big, otherwise I get hungry about 30 minutes after I’ve finished eating.
You can use your favorite vegetables and rotate according to the seasons, but I’m sharing a list of my usual choices (with the quantities I eat):

Easy raw salads:

~ Bed of leafy greens:
1 large head of lettuce (any kind)
2 or 3 handfuls of chicory, arugula or spinach

~ Other veggies for texture:
1 large red bell pepper
1 large cucumber or zucchini (chopped or spiralized)
2 large carrots (chopped or grated)
2 or 3 large tomatoes
2 large celery stalks

If you wish to add some healthy fats to this type of meal, the best way is to add 1/2 of an avocado or some seeds (previously soaked if needed).

20150524-232641.jpg
And now the dressing!
This dressing is also a great choice to make with rice paper rolls stuffed with raw veggies.

Basil, mango and tomato raw dressing:

Ingredients:
(Organic, if possible)
1 large mango
3 large tomatoes
5 or 6 fresh basil leaves

Directions:
~ De-skin the mango and de-stem the tomatoes.

~ Put everything in a food processor or blender and process until you get a creamy and even sauce. (Some blenders may require some liquid to work properly. If it’s the case with your blender, just add a little bit of water).

~ Pour the dressing over your large bowl of salad and mix everything really well. Let it sit for a few minutes before eating, as this allows for the greens to get tender and all the ingredients to soak up the flavors.


Leave a comment

Paradise Island salad with mango and celery dressing ~ Salada Ilha do Paraíso com molho de manga e aipo

20150108-225223.jpg
(Please scroll down for english version)

O início deste ano tem sido muito calminho, com muita leitura, passeios ao ar livre, meditação e yôga.

Por vezes temos mesmo que ouvir o que o nosso corpo diz e o meu tem andado a sussurrar “descansa e simplifica”, o que em termos de alimentação para mim significa muitos batidos e saladas. Por vezes é difícil porque quero fazer sempre algo diferente ou especial, mas tenho conseguido conter-me e ser fiel aos meus básicos essenciais.
A recompensa é uma energia calma, leve, estável e duradoura.

Por isso não tenho partilhado tantas receitas como é habitual – tenho feito quase sempre as mesmas coisas, tudo cru, com muita fruta e vegetais.

20150108-225259.jpg
Esta é uma das minhas saladas preferidas que faço de vez em quando para o jantar. É muito saborosa e saciante, deixa-me completamente cheia, com muita vitalidade e sem aquele peso horrível na barriga.

Esta receita é para 1 pessoa.
Se houver algum ingrediente que detestem, tentem substituí-lo por outro. Improvisem e sejam criativos!

Ingredientes:
(Se possível, biológicos)
1 alface grande
2 cenouras grandes
1 cup/chávena de tomates cereja
1 talo de cebolinho verde
Para o molho:
1 manga grande
1 abacate pequeno ou 1/2 abacate grande
3 talos de aipo médios/grandes com folhas
1 mão cheia de cebolinho
Sumo de 1 lima

Instruções:
~ Cortar as folhas de alface com as mãos até ficarem pedaços pequenos.
Ralar as cenouras, cortar o cebolinho verde em rodelinhas e cortar os tomates cereja ao meio.
Juntar tudo numa taça.

~ Por todos os ingredientes para o molho num processador ou liquidificadora e triturar muito bem. Se for necessário para a liquidificadora funcionar, adicionem um pouco de água.
Deitar o molho na taça da salada e misturar muito bem com uma colher, até todos os pedaços de alface ficarem bem cobertos de molho.
E bom apetite!

20150108-225318.jpg
English:

I’ve been taking it slow since the beginning of the year, with lots of reading, outdoor walks, meditation and yoga.

Sometimes we really need to listen to our body and mine has been whispering “rest and keep it simple”, which means, as far as eating goes, lots of smoothies and salads. It can be tough because I feel the urge to make special or different meals, but I’ve been able to tone it down and stick to my basics.

The reward is this calm, light, stable and longlasting energy.

That’s why I haven’t been sharing as much recipes as usual – I’ve been making pretty much the same simple meals with raw fruits and veggies.

20150108-225354.jpg
This is one of my favorite salads as of now, and I’ve been eating it for dinner every once in a while.
It’s really tasty and satiating, I feel completely full when I finish it but I don’t get that heavy stomach feeling afterwards.

This recipe serves 1 person.
If you really dislike one of the ingredients, just substitute it for something else. Improvise and be creative!

Ingredients:
(Organic, if possible)
1 large lettuce
2 large carrots
1 cup of cherry tomatoes
1 green onion
For the dressing:
1 large mango
1 small avocado or 1/2 a large one
3 medium/large celery stalks with leaves
1 handful of chives
Juice from 1 lime

Directions:
~ Use your hands and cut the lettuce leaves into small bits.
Shred the carrots, cut the tomatoes in half and the green onion into small slices.
Put everything in a bowl.

~ Put all ingredients for the dressing in a blender or food processor and blend really well. Pour it over the salad bowl and mix everything using a spoon, until every bit of lettuce is covered with the dressing. If necessary add a little bit of water to get your blender going.
And enjoy!

20150108-225605.jpg


6 Comments

Veggie rice paper rolls with a mango, avocado and mint dressing ~ Crepes de arroz com vegetais e um molho de manga, abacate e menta

20141116-191133.jpg
(Please scroll down for english version)

A pedido de muitas famílias, hoje trago-vos esta receita que já faz parte do menu habitual cá de casa.

Apesar de não serem tecnicamente crus, estes crepes de arroz são uma óptima maneira (fácil e divertida!) de incorporar mais alimentos crus no nosso dia a dia.
Os crepes são bastante saudáveis porque são feitos só com arroz, água e uma pitada de sal.

É um produto típico do Vietnam, por isso é comum encontrar estes crepes em qualquer supermercado chinês ou asiático, mas também há algumas lojas de produtos naturais/biológicos que os vendem.

E assim, sem ter planeado nada neste sentido, reparei que andamos aqui numa bela viagem pelo mundo fora! Já fomos ao Médio Oriente, duas vezes, a Itália, ao Hawaii, à Tailândia e até temos um cheirinho do Brasil.

Fartei-me de rir sozinha quando me apercebi disto! E o mais engraçado é que acaba por ser muito representativo da minha vida e maneira de estar.

Pelos vistos devo andar com saudades da vida de saltimbanco e de andar sempre de malas feitas…
Enquanto não há nova rota para percorrer, tenho sempre a opção de encarar tudo o resto como uma viagem… Como este blog!
Qual será o próximo destino? Aceitam-se sugestões ;)

Voltando aos crepes…
Podem usar praticamente qualquer vegetal, fruta, germinados e até sementes que gostem.

É uma boa opção quando já só há restinhos na cozinha e não nos apetece fazer mais uma salada. Usem a criatividade e brinquem com diferentes texturas e cores porque quanto mais colorido mais apetitoso fica. Os olhos também comem, não é verdade?

20141116-191200.jpg
Tradicionalmente estes crepes são servidos com um molho de amendoins e soja, mas eu não sou muito apreciadora.
Prefiro fazer este belo molho de abacate e manga que fica delicioso e também funciona muito bem em qualquer salada.

A minha técnica de enrolar crepes não é de todo perfeita, mas não me costumo preocupar muito com esses pormenores. Prefiro gastar a minha energia a comê-los! ;)
Mas vou tentar ensinar-vos de uma maneira fácil e simples. Eu costumo comprar os crepes mais pequenos que são sensivelmente do tamanho de um prato.

Esta foi uma refeição bastante leve para duas pessoas. Se tiverem muita fome, façam mais crepes.

Ingredientes:
(Se possível, biológicos)
8 crepes de arroz
1/2 alface pequena
2 pimentos vermelhos
2 cenouras
1 pepino
2 mãos cheias de couve roxa
1 mão cheia de cebolinho
Opcional: 1/2 colher de sopa de sementes de sésamo (demolhadas durante a noite)

20141116-191224.jpg
Instruções:
~ Cortem os vegetais num formato longo e fino (mas não precisa ser tão fininho como para o sushi).
Não costumo cortar as folhas da alface porque os crepes ficam mais tenrinhos se usar as folhas dobradas em vez de cortá-las.

~ Ponham água morna num prato fundo ou taça e mergulhem um crepe durante mais ou menos 1 minuto. Vão girando o crepe na água para ter a certeza que fica totalmente molhado e podem retirar quando começar a amolecer.

20141116-191446.jpg
~ Agora ponham o crepe bem direitinho num prato ou em cima de uma toalha. Eu não gosto muito de fazer um cima de toalhas porque cola muito.

~ Depois é só juntar os vegetais uns em cima dos outros na parte central de baixo do crepe.Eu gosto de usar bastantes vegetais em cada crepe porque assim ficam mais apertadinhas e crocantes.

20141116-191501.jpg
~ Começamos a enrolar pegando na ponta de baixo, tentando manter o recheio o mais apertado que seja possível. Cuidado para não rasgar o crepe.

20141116-191604.jpg
~ Depois dobramos os lados do crepe, com cuidado, para ficar bem fechado e não haja possibilidade do recheio cair.

20141116-191621.jpg
~ Continuamos a enrolar para cima, até que o crepe esteja totalmente fechado. Confirmem se a ponta final do crepe fica bem colada antes de o levantarem do prato.

20141116-191647.jpg
~ E já está! Agora é repetir o mesmo processo para cada crepe.
No fim juntei as sementes de sésamo por cima.

20141116-191715.jpg
Molho de manga, abacate e menta
Ingredientes
:
(Se possível, biológicos)
1 abacate pequeno/médio
1/2 manga
sumo de 1/2 limão
1 mão cheia de folhas de menta fresca

Instruções:
~ Descascar e retirar os caroços da manga e abacate. Por tudo num processador de comida e triturar muito bem.
Deitar o molho numa taça. Podem regar os crepes com o molho e também podem ir mergulhando os crepes no molho antes de cada dentada.

E boa viagem! :)

20141116-191746.jpg
English:

So many of you asked me for this recipe, so here it is. Rice paper rolls have become a staple at my house and even though it’s not technically raw, it’s a great, easy and fun way to add more raw foods to your daily life.
It’s quite healthy, with only 3 ingredients, rice, water and a pinch of salt.

This is a traditional Vietnamese dish and you can easily find the paper rolls at any chinese or asian supermarket, or even at some natural/organic product stores.

And just like that, without planning any of this, I’ve realised we’ve been on quite the journey around the world! We’ve been to the Middle East, actually twice, Italy, Thailand, Hawaii and even a little bit of Brasil!

I laughed so hard when I saw this! But the funniest part is that this actually mirrors my lifestyle quite well. Aparently I’ve been missing my globetrotter days…

Until there’s a new path to discover I might as well look at everything like a journey, like this blog! I wonderful what the next destinations will be. Sugestions, anyone? ;)

And now back to the rolls…
You can use pretty much any vegetable, fruit, sprouts or seeds you like. This is a really good option for those days when your kitchen is almost empty, right before going shopping, instead of making a salad.

Use your creativity and play with different textures and colours. The more color the better because we eat with our eyes first!

20141116-210101.jpg
It’s customary to serve rice paper rolls with a soy and peanut sauce but I’m not the biggest fan. I would rather eat them with this creamy mango and avocado dressing that also works really well with salads.

My rolling technique is far from perfect but I don’t really pay much attention to that. I’m more focused on eating them! But I’ll do my best to teach you how to roll in the easiest way I know how. I usually buy the smaller rolls, which are about the size of a regular plate.

By the way, this was a light meal for two so if you’re very hungry make sure you make more rolls.

Ingredients:
(Organic if possible)
8 rice paper rolls
1/2 small lettuce
2 red pepper bells
2 carrots
1 cucumber
2 handfuls of purple cabbage
1 handful of chives
Optional: 1/2 tablespoon with sesame seeds (soaked overnight)

20141116-210208.jpg
Directions:
~ Cut the veggies in a thin and long shape (it doesn’t need to be as thin as the ones for sushi rolls).
I don’t usually cut the lettuce leaves because it works better if you just fold them.

~ Now get a bowl with warm water and dip one rice paper roll for about 1 minute. Keep it moving and rotate it all the way to make sure every bit is wet and you can remove it from the water when it starts getting soft.

20141116-210230.jpg
~ Now place the roll in a plate or kitchen towel. Make sure it’s very straight. I don’t like doing this on a towel because it usually gets very sticky.

~ You can add the veggies on top of each other, right on the bottom of the roll, keeping it centered. I like using a lot of veggies in each roll to make it really tight and crunchy.

20141116-210258.jpg
~ Begin by carefully pulling the bottom of the roll and start rolling it all the way up. Try to keep the veggies as tight as possible and make sure you do this slowly so it doesn’t rip.

20141116-210315.jpg
~ Now fold both sides and make sure they stay glued in order to keep the veggies really compressed.

20141116-210335.jpg
~ Keep rolling it all the way up, until there’s no more paper roll left. Make sure the last tip is really glued to the rest of the roll or it may open when you pick it up.

20141116-210836.jpg
~ And it’s done! Now you must repeat this process for every roll.
When I was finished I sprinkled them with sesame seeds.

20141116-210647.jpg
Mango, avocado and mint dressing
Ingredients:

(Organic if possible)
1 small/medium avocado
1/2 mango
Juice from 1/2 lemon
1 handful of fresh mint leaves

Directions:
Take the skin and seeds of both mango and avocado. Add everything to a food processor and blend very well. Place the dressing in a bowl. You may pour it over the rolls or simply dip the rolls in the dressing before you take each bite.

And happy travels!

20141116-210759.jpg


Leave a comment

Spinach salad with zucchini and basil dressing ~ Salada de espinafres com molho de courgette e manjericão

20141106-214105.jpg
(Please scroll down for english version)

Tenho partilhado poucas receitas de almoços ou jantares porque na maior parte das vezes como saladas e penso sempre que toda a gente sabe fazer saladas e não precisam de ajuda nesse departamento.

Mas a verdade é que conheço muita gente que faz sempre a mesma saladinha, há anos e anos.
Realmente, comer vegetais assim deve ser uma seca. :(

Por isso hoje trago-vos uma salada muito simples para vos mostrar que podem ter uma refeição saborosa e saciante com poucos ingredientes.

Uma salada não precisa de ter mil e quinhentas coisas diferentes para ficar interessante! Nem sequer é preciso irem arranjar vegetais exóticos ou coisa do género.

A melhor arma para combater a rotina nas saladas é fazer um belo molho caseiro e variar as especiarias e condimentos sempre que possível.

20141106-214145.jpg
E outra coisa que eu aprendi é que tenho que comer em abundância.

Quando se come só vegetais e/ou fruta temos que comer uma quantidade maior porque estes alimentos têm uma grande percentagem de água e são digeridos muito rapidamente.

Se comer pouco, fico cheia de fome passado uma horita. Por isso tive que aprender a não restringir a quantidade de comida no meu prato e continuar a comer alegremente até me sentir efectivamente cheia.

Isto pode significar voltar a encher o prato 3 ou 4 vezes. No início pode ser difícil porque estamos habituados a não repetir o prato porque “é feio, é ser mal educado ou porque engorda” e também porque não estamos habituados a ouvir verdadeiramente o nosso corpo e temos que aprender a interpretar os sinais para percebermos que já estamos saciados. Mas como tudo na vida, é uma questão de hábito!

Por isso, vou esforçar-me para vos trazer mais receitas de saladas e molhos, mesmo no pico do inverno.

Um dos truques para as saladas ficarem mais simpáticas no inverno é deixá-las à temperatura ambiente antes de servir, em vez de guardar no frigorífico.
Esta salada dá para 2 pessoas (ou uma extremamente esfomeada!)

20141106-214221.jpg
Salada
Ingredientes
:
(Se possível, biológicos)
1 alface grande
4 cups/chávenas de espinafres bebés
3 pimentos vermelhos grandes

Instruções:
Cortar a alface e os pimentos do tamanho que preferirem.

Molho de courgette e manjericão
Ingredientes:

(Se possível biológicos)
1 courgette grande
Sumo de 1/2 limão
6 ou 7 folhas grandes de manjericão
1/2 dente de alho
1 mão cheia de cebolinho

Instruções:
Cortar as 2 pontas da courgette. Juntar tudo num processador de comida e triturar até ficar uma pasta homogénea.
Cerca de 30 minutos antes de servir, deitar o molho na salada e misturar tudo muito bem.

20141106-214246.jpg
English:

I haven’t been sharing a lot of lunch or dinner recipes because most of the time I have salads and I always say to myself that people don’t need help in that department because anyone can make a salad.

But the truth is I know a bunch of people that have been making the same old salad for ages! And then they say eating veggies is boring.
I bet it is! :(

So today I bring you a really simple salad to show you that you can have a tasty and satisfying meal using just a few ingredients.
You don’t need tons of different veggies to make an interesting salad! And you certainly don’t need exotic ingredients or anything like that.

The best weapon against dull routine is to get creative with homemade dressings, changing spices and herbs as much as possible.

20141106-214301.jpg
Another thing I have learned is to eat in abundance.

When we have meals of just veggies and/or fruit we need to eat bigger quantities because these foods have a higher percentage of water and are digested very fast.

If I eat just a little bit I’ll be hungry again within an hour.
So I had to practice to stop restricting my food intake and just eat as much as I need to actually fill full. That may mean filling up my plate 3 or 4 times.

It can be quite difficult in the beginning because we are used to thinking that doing that is “not nice, rude or it makes you fat” and also because we aren’t used to really listening to our body to understand when we are full and satisfied.
But just as anything in life, it’s a matter of habit!

So I promise I’ll try to bring you more recipes for salads and dressings, even during the winter.

One trick to enjoy your salads during the colder months is to leave it outside of the fridge, in room temperature.
This salad serves 2 people (or 1 extremely hungry person!)

20141106-214320.jpg
Salad
Ingredients
:
(Organic if possible)
1 big lettuce
4 cups with baby spinach
3 large red bell peppers

Directions:
Chop lettuce and bell peppers into the size you like.

Zucchini and basil dressing:
Ingredients:

(Organic if possible)
1 large zucchini
Juice from 1/2 lemon
6 or 7 large basil leaves
1/2 garlic clove
1 handful of chives

Directions:
Cut off both ends of the zucchini. Put everything in a food processor and blend until you get a creamy even dressing.
About 30 minutes before eating, pour the dressing all over the salad and mix it really well.


Leave a comment

Thai quinoa ~ Quinoa Tailandesa

20141001-220914.jpg
(Please scroll down for english version)

Ultimamente tenho vindo a reparar que muitas das conversas que ando a ter com os meus amigos andam à volta de viagens. Locais onde já fomos, locais que queremos visitar, experiências que desejamos ter num futuro próximo… mas também muitas viagens ao nosso próprio interior, ao fundo da nossa essência e pelas máscaras que a ocultam mas que mesmo assim continuamos a coleccionar durante a viagem. Parece que todos concordamos que a maior e mais importante viagem que cada um tem a percorrer é a viagem para dentro de nós, onde nos conseguiremos redescobrir e lembrar de quem realmente somos.
Por muito fácil e simples que possa parecer, é uma tarefa de tal modo intimidante que me leva a sentir que seria preciso muito mais do que uma vida inteira para lá chegar.
Talvez seja por isso que preferimos sonhar e viajar para destinos longínquos, pensando que será lá que nos vamos encontrar com a felicidade e será lá que tudo finalmente fará sentido…

Algumas dessas conversas levaram- me de volta à Tailândia, país que visitei frequentemente nos anos 90 mas onde não consegui voltar mais recentemente. É um daqueles sítios onde me sentia sempre tão bem recebida… a vida era simples, barata e vagarosa. É um daqueles locais onde parece ser possível viver feliz e em harmonia com pouquíssimos bens e mesmo assim conseguir experienciar a vida plenamente, todos os dias (e noites!).
É um estilo de vida que tenho perseguido desde que me lembro de ser gente mas que continua tão inatingível como o famoso pote de ouro no fim do arco-íris…

Esta receita foi inspirada nesses tempos e eu espero que vos traga um bocadinho do paraíso.
Também funciona bem com esparguete de milho ou massa de arroz mas se quiserem fazer uma refeição totalmente crua podem substituir a quinoa com esparguete de courgette. Esta receita é para 2 pessoas.

E “kob kun kaa” pela vossa visita ;)

20141001-220954.jpg
Ingredientes:
(Se possível, biológicos)
1/2 cup/chávena de quinoa
3 pimentos vermelhos grandes
4 cenouras grandes
1/2 colher de sopa de sumo de limão ou vinagre de sidra e água para demolha

Ingredientes ~ Molho Tailândes:
(Se possível, biológicos)
1/2 cup/chávena de sumo de laranja acabado de espremer
2 colheres de sopa de Tahini (pasta de sésamo)
1 naco de gengibre cru
2 folhas compridas de erva limeira (capim limão/lemon grass) ou 1 colher de sopa de erva limeira em pó

20141001-221052.jpg
Indicações:
~ Deixar a quinoa de molho durante a noite (6 a 8 horas) em 1 cup/chávena de água e o sumo de limão ou vinagre de sidra. Deitar fora a água da demolha e lavar muito bem a quinoa com água limpa. Este passo é muito importante porque a quinoa tem saponina (que sai com a demolha) que pode provocar perturbações graves nos intestinos e até pode provocar intolerância no futuro. Para mais informação sobre demolhar, leiam este post.

~ Cozer a quinoa com 1 cup/chávena de água em lume médio. Ir mexendo de vez em quando com um garfo. Está pronto quando a água evaporar toda.

~ ralar as cenouras e cortar os pimentos em tiras finas e pequenas.

~ num processador de comida ou liquidificadora triturar todos os ingredientes para o molho

~ servir como preferirem :)

20141001-221114.jpg
English:

Lately I’ve noticed that much of my conversations with my friends revolve around travelling. Places we’ve been to, places we want to see, experiences we look forward to embrace in the near future… but also a lot of travelling inwards, to the bottom of our essence and through the masks that cover it up… and about why somehow we keep collecting them along this journey. It seems that everyone feels that the biggest and most important journey any of us can take is within us to rediscover and remember who we truly are. As easy and simple as it seems, it is a daunting task and can sometimes makes me feel that it will take more than one single lifetime.
Maybe that’s why we choose to dream and travel to far away places thinking that we are going to find ourselves there and finally be happy with everything magically falling into place…

Some of this conversations took me back to Thailand, a country I visited often during the 90’s but I’ve failed to go back more recently. It’s one of those places where i just felt so welcomed all the time… life was easy, cheap and slow. It was one of those places where it seemed possible to live with very few things and still fully experience life every single day (and night!).
It’s a way of life that I’ve been aiming every since I remember being a person. But somehow it seems to be as elusive as the pot of gold at the end of the rainbow…
I loved it and I miss it, to tell you the true….

This recipe was inspired by such times and I hope it brings you a little bit of paradise.
It also works really well with corn pasta or rice noodles but if you wish to keep it fully raw, just substitute the quinoa with raw zucchini noodles. This serves 2 people.

And “kob kun kaa” for stoping by! ;)

20141001-221142.jpg
Ingredients:
(Organic if possible)
1/2 cup quinoa
3 large red bell peppers
4 large carrots
1/2 tablespoon with lemon juice or apple cider vinegar and water for soaking

Ingredients ~ Thai dressing:
(Organic if possible)
1/2 cup freshly squeezed orange juice
2 tablespoons with Tahini
1 thumb of raw ginger
2 long leaves of lemongrass or 1 tablespoon of lemongrass powder

20141001-221516.jpg
Directions:
~ soak the quinoa overnight (6 to 8 hours) in 1 cup of water with lemon juice or apple cider vinager. Rinse and throw away the soaking water. Wash the quinoa really well with clean water. This is a very important step because quinoa contains saponin (that comes out during the soaking) that can cause severe bowel problems and even make you allergic in the future. For more information on soaking please read this post.

~ cook the quinoa with 1 cup of water in medium heat. Use a fork to move it around every once in a while. It will be done when there’s no more water left

~ shred the carrots and chop the bell peppers in thin and small pieces

~ using a blender or food processor blend all the ingredients for the dressing

~ serve as you prefer ;)

20141001-221252.jpg


Leave a comment

Baked Falafel and simple Tahini sauce ~ Falafel no forno e molho simples de Tahini

20140809-000234.jpg
(Please scroll down for english version)

Para mim, comer também é um modo de viajar. ;)
Eu adoro comida bem condimentada e com aqueles sabores que nos levam para destinos longínquos logo à primeira dentada.
Por acaso nunca fui ao Médio Oriente mas de vez em quando faço uns “passeios gastronómicos” por esses lados.
Esta receita de Falafel nunca falha e torna qualquer refeição num festim exótico! A receita tradicional é com Falafel frito mas eu não aprecio comida frita, por isso cá em casa fazemos no forno e posso garantir que ficam ainda melhores!
Por vezes como só com sumo de limão mas também gosto muito deste molho simples de Tahini.
Espero que se deliciem tanto quanto eu. :)

20140809-000413.jpg
Falafel
Ingredientes :
(Se possível, biológicos)
2 cups/chávenas de grão de bico cozido
1/4 pimento vermelho
1 dente de alho
3 colheres de sopa com salsa fresca
1 colher de sopa com cominhos em pó
1 colher de sopa com coentros em pó
1/2 colher de sopa com bicarbonato de sódio
Sal* e pimenta a gosto

Instruções:
O ideal é usar grão de bico cozido em casa. Comprar grão seco e a granel sai sempre mais barato, é mais saudável e é fácil de preparar. Basta pôr de molho com muita água (cerca de 8 horas) e depois lavar muito bem. Podem cozer numa panela (normal ou de pressão) com água e um pouco de gengibre para facilitar a digestão. Cozam até o grão ficar bem tenrinho. Quando arrefecer podem colocar em vários recipientes e congelar. Assim têm sempre grão de bico pronto para ser usado em qualquer ocasião.
Se tiverem que comprar já cozido, comprem em frascos de vidro e nunca em latas porque o revestimento interior das latas tem várias substâncias altamente prejudiciais para a saúde.

Para fazer as bolinhas de Falafel basta juntar todos os ingredientes num processador de comida e triturar muito bem até ficar com uma pasta macia e homogénea.
Depois fazemos bolinhas com as mãos e pomos numa grelha do forno com papel vegetal.
Esta receita dá cerca de 20 bolinhas.
Vão ao forno durante cerca de 15 minutos a 220*C (428*F). Deixar arrefecer no papel vegetal e retirar com cuidado para um prato.

20140809-000634.jpg
Molho simples de Tahini
Ingredientes
(Se possível, biológicos)
3 colheres de sopa com Tahini (pasta de sésamo)
2 colheres de sopa com água (ou mais se preferirem o molho mais líquido)
2 colheres de sopa com sumo de limão
Sal* a gosto

Instruções:
Juntar tudo numa taça e misturar muito bem com uma colher.

Eu gosto de comer usando folhas de alface em vez de pão Pita e junto sempre umas rodelas de tomate bem maduro. Fica uma refeição leve, fresca e muito saborosa.

* Eu não uso sal na minha comida. Se forem como a maioria das pessoas e estiverem habituados a usar sal, ponham uma pitada.

20140809-000322.jpg
English:

Eating is another way of traveling, at least that’s how I see it. ;)
I love well seasoned food with flavors that take us to far away places as soon as we take a bite.
As a matter of fact I have never been to the Middle East but I do take a lot of “gastronomic tours” to that part of the globe. This Falafel recipe never disappoints me and has the hability to turn any meal into an exotic feast! The traditional Falafel is fried but I don’t like fried food at all, so I bake it in the oven and I promise the result is even better! Sometimes I have it with plain lemon juice but this super simple Tahini dressing is also a big favorite of mine. I hope you enjoy it as much as I do. :)

20140809-171316.jpg
Falafel
Ingredients:
(Organic if possible)
2 cups with cooked chickpeas
1/4 red bell pepper
1 clove of garlic
3 tablespoons with fresh parsley
1 tablespoon with cumin powder
1 tablespoon with coriander powder
1/2 tablespoon with baking soda
Salt* and pepper to taste

Directions:
The ideal is to cook the chickpeas at home. Buying dried beans and in bulk is cheaper, healthier and quite easy to do. Soak the chickpeas in a lot of water (for about 8 hours) and wash it very well afterwards.
You can cook it using a pot (regular or a pressure cooker) with water and a slice of ginger to help digestion. Cook it until it’s very tender. After the chickpeas cool down you can put them in several containers and pop them in the freezer. This way you’ll always have cooked chickpeas whenever you want it.
If you really need to buy cooked chickpeas make sure to buy the ones in glass jars and never the ones in cans because the interior lining of those cans are filled with harmful substances.

To make the Falafel balls all you need to do is put all the ingredients in a food processor and blend until you get a smooth and even paste.
Then roll small balls with your hands and place them in a oven grill with parchment paper. This recipe makes us about 20 balls.
Keep it in the oven for about 15 minutes at 220*C (428*F).
Let the balls cool down on the parchment paper, then carefully remove them and place them in a plate.

20140809-000809.jpg
Simple Tahini dressing
Ingredients
(Organic if possible)
3 tablespoons with Tahini (sesame paste)
2 tablespoons with water (or more if you prefer a more liquid dressing)
2 tablespoons with lemon juice
Salt* to taste

Directions:
Put everything in a small bowl and mix very well using a spoon.
Juntar tudo numa taça e misturar muito bem com uma colher.

I like eating Falafel using lettuce leafs instead of pita bread and I love adding slices of ripe tomatoes. It’s a light, fresh and very tasty meal.

* I don’t add salt to my food but if you are like the majority of people and use salt everyday, add a pinch.)

20140810-172149.jpg


Leave a comment

Raw zucchini noodles with hemp and spinach Pesto (nut free) ~ Esparguete cru de courgette com Pesto de cânhamo e espinafres (sem frutos secos)

20140731-000049.jpg
(PLEASE SCROLL DOWN FOR ENGLISH VERSION)

Hoje vão ficar a conhecer uma das minhas receitas preferidas para fazer para o jantar: esparguete de courgette com Pesto de espinafres, cânhamo e manjericão e sem frutos secos – tudo cru, tudo delicioso!

Para fazer este esparguete normalmente usamos uma coisinha chamada espiralizador mas como a maioria das pessoas que eu conheço não têm nem nunca tiveram espiralizador, fiz de outra maneira mais acessível. Só precisam de um ralador grande e com buracos grandes. Também podem fazer um macarrão mais largo do género fettuccine, utilizando uma mandolina ao longo de todo o comprimento da courgette. Fácil, certo?

Vamos lá arregaçar as mangas!
Esta receita dá para 2 pessoas ou 1 extremamente esfomeada. ;)

20140730-235848.jpg
Esparguete cru
Ingredientes:
(Se possível biológicos)
2 courgettes grandes e bem compridas

Instruções:
~ Cortar as 2 pontas da courgette (eu normalmente como a casca mas se fizerem questão também podem cortar).
Em vez de usar o ralador como habitualmente – com movimentos rápidos e curtinhos – vamos fazer um movimento o mais longo possível, sem levantar a courgette até esta percorrer o comprimento total do ralador. Começam por uma ponta da courgette e só param de a empurrar pelo ralador quando tiverem ralado até à ponta oposta. Assim conseguimos fazer fios de esparguete do mesmo comprimento que a courgette.
Depois é repetir as vezes que forem necessárias até terem as 2 courgettes transformadas em fios.
Juntá-los num prato ou taça grande.

20140730-235903.jpg
Pesto cru
Ingredientes:
(Se possível, biológicos)
4 cups/chávenas de espinafres
1 dente de alho
Sumo de 1 limão
2 colheres de sopa de sementes de cânhamo descascadas
1 mão cheia de manjericão fresco
pimenta preta a gosto
Opcional: 1 colher de sopa de levedura de cerveja
(Eu nunca uso sal na minha comida. Se forem como a maioria das pessoas e estiverem habituados a usar sal, ponham uma pitada.)

Instruções:
~ Juntar tudo num processador de comida e triturar até ficar uma pasta homogénea. Servir no prato em cima do esparguete ou numa taça para levar à mesa.
Podem comer só assim, juntar os vossos vegetais favoritos (tomates cortados fica muito bem) ou, por exemplo, juntar a estes hambúrgueres vegetais (façam sem as especiarias).
E bom apetite!

20140731-230720.jpg
ENGLISH:

Today I’m bringing you one of my favorite dinner recipes: zucchini noodles with nut-free Pesto made with hemp, spinach and basil – all raw, all delicious!

To make the noodles we usually use a little thing called a spiralizer but most people I know don’t have a spiralizer at home. That’s why I made it with just one large grater with big holes. You may also use a mandoline and make larger noodles like fettuccine, by simply cutting the zucchini lengthwise.
Easy, right? So let’s get started!

This recipe serves 2 people or 1 extremely hungry person. ;)

20140731-000855.jpg
Raw Noodles
Ingredients:
(Organic if possible)
2 big and long zucchinis

Directions:
~ Chop both ends of the zucchini (I never peel it but you can if you want to). Instead of using the grater as usual – doing quick and short movements – you must do slow and long movements along the whole lenght of the grater. Run the zucchini lengthwise along the top of the grater all the way from one end of the zucchini to the other end.
Keep pressing down during the entire movement and you’ll achieve long, spaghetti-like shreds.
Repeat until both zucchinis are completely transformed into long shreds.
Put it in a plate or large bowl.

20140730-235903.jpg
Raw Pesto
Ingredients:
(Organic if possible)
4 cups of spinach
1 clove of garlic
Juice from 1 lemon
2 tablespoons of hemp hearts
1 handful of fresh basil
Black pepper to taste
Optional: 1 tablespoon of nutritional yeast
(I never add salt to my food but if you are like the majority of people and use salt everyday, add just a pinch).

Directions:
~ Place everything in a food processor and blend until you get an even and smooth paste. Serve the Pesto on each plate on top of the noodles or place it in a bowl to put on the table.
You can eat it just like this or you can add your favorite veggies (chopped tomatoes are great) or even with some veggie burguers (bake it without the spices).
And enjoy your meal!

20140731-000213.jpg


4 Comments

Summer salad with Tahini garlic dressing ~ Salada de Verão com molho de Tahini e alho

20140713-220141.jpg
(Please scroll down for english version)

Saladas são sempre uma opção fácil e saudável para as refeições. Eu como saladas todos os dias e nunca me aborreço porque raramente repito uma receita. Gosto de variar muito mas também improviso no momento e uso o que houver em casa sem perder muito tempo a pensar no que devo ou não devo fazer. Podem usar todos os legumes, vegetais ou frutas que quiserem, de preferência crus para poderem tirar partido de toda a sua riqueza nutricional. Ainda se pode adicionar leguminosas, sementes, rebentos, frutos secos, etc, etc. Na próxima vez que forem às compras atrevam-se a comprar algum vegetal que nunca tenham usado em saladas e experimentem! Fica o desafio. ;)
Outra maneira de variar é juntar molhos ou patés mas sempre caseiros e não aqueles processados cheios de gordura e sal, entre outras coisas menos simpáticas.
É uma questão de puxar pela criatividade e vão ver que nunca mais se vão queixar que comer saladas é uma “seca”. Hoje deixo-vos uma receitinha para uma salada muito fácil de preparar e que vos vai encher a barriga de certeza! O molho de Tahini é óptimo e fica pronto em 2 minutos.
Também é possível usar esta receita como base onde podem depois acrescentar várias coisas consoante os dias, como por exemplo: Quinoa, grão de bico, feijão, massa de milho, brócolos, pepino, couve flor, couve frisada, couve de bruxelas, couve roxa, beterraba, maçã, ananás, batata doce ou abacate.
Esta receita dá para 2 pessoas (ou 1 extremamente esfomeada)

Salada
Ingredientes :
(Se possível, biológicos)
1 cup/chávena (250ml) de ervilhas
1/2 cup/chávena (125ml) de milho
3 cenouras grandes
1 pimento vermelho
1 courgette grande
8 folhas grandes de alface
1 mão cheia de tomates cereja

Instruções:
Usar um ralador com buracos grandes para ralar as cenouras e a courgette (eu uso sempre com casca).
Cortar o pimento, as folhas de alface e os tomates do tamanho que preferirem.
Juntar tudo numa taça grande e misturar bem.

20140713-220643.jpg
Eu gosto muito de comer saladas com Hummus, por exemplo. Mas o molho de Tahini é sempre uma opção rápida que se pode adaptar a todos os gostos. A receita tradicional é só com limão e água mas eu gosto de fazer variações:

Molho de Tahini com alho
Ingredientes:
(Se possível, biológicos)
4 colheres de sopa de Tahini (pasta de sésamo)
6 colheres de sopa com água
3 colheres de chá de alho em pó
Sumo de 1/2 limão grande
3 colheres de chá de levedura de cerveja
Sal a gosto (Eu nunca uso sal na minha comida. Se forem como a maioria das pessoas e estiverem habituados a usar sal, ponham uma pitada).

Instruções:
Juntar tudo numa taça de vidro ou porcelana e misturar devagar com uma colher de sopa até ficar uma pasta homogénea. Juntar mais água se preferirem um molho mais líquido.
Cerca de 30 minutos antes de comer, deitar o molho na salada e misturar muito bem com uma colher.

20140713-220723.jpg

20140713-221203.jpg
English:

Salads are always an easy and healthy choice for a meal. I eat salads everyday and I don’t get bored because I never make the same salad twice. I like to change things up and improvise according to what foods I have at my house each day and I really don’t overthink it. You can use every single vegetable and fruit you desire, preferably raw so you can take advantage of all it’s nutritional value. Other than that, feel free to add legumes, sprouts, seeds, nuts, etc, etc. Next time you go shopping dare to buy a vegetable you have never eaten before and use it in a salad! I challenge you! ;)
Another way to be creative is by using different sauces or dressings, as long as it’s homemade and not store-bought processed stuff filled with fat and sodium, among other not so nice things.
Just be bold and try new things as much as possible and you’ll see that eating salads is far from boring. Today I bring you a recipe for a salad that is just so easy to prepare and will leave you completely satisfied. The tahini dressing is great and you can make it in 2 minutes.
You can also use this recipe as a base and add different things to it like: quinoa, chickpeas, beans, corn pasta, broccoli, cucumber, cauliflower, kale, brussel sprouts, red cabbage, avocado, apple, pineapple or sweet potatoes.
This recipe serves 2 (or 1 extremely hungry person)

Salad
Ingredients:
(Organic if possible)
1 cup (250ml) with peas
1/2 cup (125ml) with corn
3 large carrots
1 red bell pepper
1 large zucchini
8 large lettuce leaves
1 handful of cherry tomatoes

Directions:
Use a large shredder and shred the carrots and zucchini (I never peel them). Cut the bell pepper, lettuce leaves and tomatoes in desired size. Put everything in a large bowl and mix it using a big spoon.

20140714-013207.jpg

I like eating salads with Hummus but Tahini dressing is also a good choice because it’s so fast to put together and you can adapt it according to your taste. The traditional recipe uses lemon and water but I like to add a few different things:

Garlic tahini dressing
Ingredients
(Organic if possible)
4 tablespoons with Tahini (sesame paste)
6 tablespoons with water
3 teaspoons with garlic powder
3 teaspoons with nutritional yeast
Juice of 1/2 big lemon
Salt to taste (I never add salt to my food but if you are like the majority of people and use salt everyday, add just a pinch).

Directions:
Put everything in a glass or ceramic bowl and mix it using a tablespoon. Add more water if you like it more liquid.
About 30 minutes before eating, pour the dressing over the salad and mix everything really well.

20140714-014248.jpg


2 Comments

The Hummus everyone loves ~ O Hummus que toda a gente adora

20140616-223455.jpg
(Please scroll down for english version)

Quando começamos a fazer mudanças na nossa alimentação e estilo de vida (seja para emagrecer, ficar mais saudável ou virar vegano), há certas situações que podem causar algum nervosismo. Como por exemplo ir a jantares ou festas que envolvam comida. Mas não vale a pena stressar muito com isso! Se nós não stressarmos os outros também não vão stressar e vai correr tudo bem.

A minha experiência diz-me que tudo isso se resolve facilmente com alguns sorrisos e humildade. Se forem sortudos como eu, as vossas amigas vão começar a fazer receitas veganas e super saudáveis mesmo sem pedirem! Maravilha, não é? Verdade, verdadinha! E o mais engraçado é que depois toda a gente quer comer o prato “diferente” e eu tenho que lutar para sobrar alguma coisa para mim. ;)

Quando são situações com pessoas que não me conhecem muito bem, eu costumo tentar avisar o/a anfitriã(o) para não contar comigo para os pratos não veganos e aproveito logo para dizer que não é preciso fazer nada só para mim! Entre entradas, sopas e saladas há sempre muita coisa para comer.

Mas a maneira mais fácil (e simpática) é levar connosco alguma comida que também possamos oferecer aos outros convidados. Assim fica garantido que não vamos passar fome nem corremos o risco de cair na tentação de empanturrar a barriga com aquelas batatas fritas cheias de gordura.

Uma das coisas que levo sempre nestas situações é Hummus. Hummus é um patê de grão de bico e é um prato tradicional do Médio-oriente. De todas as receitas de hummus que já experimentei, a minha preferida é do site My new roots (se tiverem facilidade com o inglês espreitem- tem ideias óptimas!).
Ainda não conheci uma única pessoa que não tenha adorado este Hummus!
Toda a gente me pede a receita e nunca sobra nada. É super fácil, fica pronto em 2 minutos e nunca desilude.

Costumo levar num frasco de vidro e dá para servir directamente assim ou numa taça. Normalmente levo vegetais crus como cenouras, aipo ou courgette cortados em pedaços pequenos e comemos assim. Mas também podem optar pelas tradicionais tostinhas ou pão (de preferência integral).
Para além disso, também faço muitas vezes para ter no frigorífico e como ao lanche (com os vegetais) ou junto no prato às refeições principais (com saladas, hambúrgueres veganos, massa, etc). É muito versátil e combina com quase todo o tipo de comida.

Ingredientes
(se possível, biológicos):
– 500g de grão de bico cozido
– 2 colheres de sopa de azeite
– 2 colheres de sopa de tahini
(pasta de sementes de sésamo)
– Sumo de 1 limão
– 2 colheres de chá com cominhos moídos
– 1 ou 2 dentes de alho
– 1/2 colher de chá com pimenta Caiena
– sal a gosto (eu nunca uso sal na minha comida mas quando faço esta receita para oferecer a outras pessoas ponho uma pitada de sal. Se forem como a maioria e estiverem habituados a usar sal, ponham uma pitada).

Instruções:
Nós compramos grão de bico cru e cozinhamos em casa. Se comprarem já cozido optem pelos frascos de vidro e nunca pelos enlatados.
Para mais informação sobre demolhar e cozinhar grão, vejam aqui. Juntar tudo num processador e triturar até ficar uma pasta homogénea. Se não tiverem processador, podem juntar tudo num recipiente fundo e triturar com a varinha mágica.

20140526-161422.jpg
English:

When we start making major changes in our lifestyle (whether it’s to get healthier, lose weight or become vegan) there are certain situations that can become stressful such as going to dinner at someone’s house or social events that revolve around food. But you don’t have to stress about that! If you stay cool, everyone else will stay cool and everything will be just fine.

According to my experience, everything can be sorted out with a couple of smiles and some humility. If you are lucky like me, your friends will start cooking super clean vegan recipes without you even asking. Unbelievable, right? But it’s true! And the funny thing is that everyone else always wants to eat the “different” dish and I have to fight to make sure they don’t eat the whole thing! ;)

But the easiest (and nicest) way to deal with this is to bring some food with you and offer it to the other guests as well.
This way you know you won’t starve and you won’t be tempted to binge on those greasy chips. I usually bring Hummus to every party and it’s always a succes. Hummus is a traditional dip from the Middle-East made with chickpeas. I’ve tried many recipes and my favorite is by My New Roots (check out the site – it’s amazing!). I have yet to meet one that doesn’t like this Hummus!

Everybody asks me for the recipe and it’s super easy and fast to make. It’s ready in 2 minutes and never let’s me down. I usually store it in a glass jar and put it on the table just like that or in a bowl. You can serve it with raw veggies (carrots, cucumber, celery, etc) or opt for the traditional bread toasts (choose whole grains).
Besides that, I do it a lot of times and store it in my fridge. I like eating hummus as a snack (with the veggies) or even for my main meals. Just add it to your plate when eating salads, pasta, veggie burguers and so on. Hummus is quite versatile.

Ingredients
(organic if possible)
– 500g of chickpeas
– 2 Tbsp of olive oil
– 2 Tbsp of tahini (Sesame paste)
– juice of 1 lemon
– 2 tsp of ground cumin
– 1 or 2 garlic cloves
– 1/2 tsp of Cayenne pepper
– salt to taste (I never add salt to my food but when I make this for other people I add just a pinch of salt. If you are like the majority and use salt everyday, add just a pinch).

Directions:
We buy raw chickpeas in bulk and cook it at home. If you buy cooked chickpeas choose the ones in glass jars and never the canned ones.
For more info on soaking and cooking chickpeas, read this.
Put everything in a food processor and blend until you get an even paste. If you don’t have a processor you can put everything in a deep recipient and blend with an immersion blender.